Campanha na TV não muda a rejeição à divisão do PA

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Novembro 2011

Aumentou o nível de conhecimento dos eleitores do Pará sobre o plebiscito de dezembro, mas a rejeição à divisão do Estado continua predominante.

Segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada ontem, 62% dos eleitores são contra a criação do Estado do Carajás e 61% são contra a criação do Estado do Tapajós.

A reportagem é de Aguirre Talento e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 26-11-2011.

Nessa pesquisa, a segunda do Datafolha sobre o plebiscito, houve um pequeno aumento no nível de rejeição ao desmembramento do Pará, mas dentro da margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Foram entrevistados 1.015 eleitores paraenses entre os dias 21 e 24 deste mês. A pesquisa foi encomendada em parceria entre a Folha e as TVs Liberal e Tapajós (afiliadas da Rede Globo).

Em 11 de dezembro, os eleitores do Pará irão às urnas opinar se querem que o Estado se separe e dê origem a mais outros dois: Carajás (sudeste) e Tapajós (oeste).

A principal diferença no cenário da nova pesquisa para a anterior, divulgada há duas semanas, é que foi realizada dez dias após o início da propaganda plebiscitária na TV e no rádio.

Comandado por Duda Mendonça, o marketing separatista tem feito apelos aos eleitores de Belém, região que concentra o maior eleitorado, para que votem a favor da divisão e deixem a "esperança vencer o medo".

A campanha nos meios de comunicação, no entanto, ainda não foi capaz de mudar o opinião do eleitor para além da margem de erro.

A principal alteração constatada na nova pesquisa é que os eleitores se consideram mais bem informados sobre a divisão do Pará: 96% dizem ter tomado conhecimento do plebiscito e, dentro desse universo, 33% dizem que estão bem informados.

Na pesquisa anterior, 92% sabiam do plebiscito e, desses, 19% se consideravam bem informados.

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, ressalta que a pesquisa é um retrato deste momento e que a campanha entra agora em uma fase decisiva.

Prova disso é que agora se intensificam as carreatas e os debates. Nas duas semanas finais, estão previstos três debates na televisão com os representantes das frentes de campanha sobre a divisão.

"É comum que os eleitores tomem a decisão sobre seus votos só nos últimos dias", afirmou Paulino.

A aprovação à ideia da divisão caiu até mesmo entre os eleitores das regiões que querem se separar.

No Carajás, por exemplo, 78% se dizem a favor do Estado do Carajás, uma queda de seis pontos percentuais em relação ao último levantamento do Datafolha.

No Tapajós, 74% são a favor do novo Estado - uma oscilação negativa de três pontos percentuais.

A maior resistência, porém, continua na região chamada de "Pará remanescente", que permaneceria inalterada com a divisão.

A rejeição é acima de 80% e tem se refletido em uma hostilização das campanhas separatistas. No último domingo, a primeira carreata dos defensores da divisão em Belém foi recebida com vaias.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Campanha na TV não muda a rejeição à divisão do PA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV