Grupo pró-divisão do Pará aposta em TV para virar

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Novembro 2011

As frentes favoráveis à divisão do Pará - possibilidade rejeitada por 58% dos eleitores do Estado, segundo pesquisa do Datafolha - dizem acreditar em uma "virada" semelhante a que ocorreu no referendo do desarmamento, em 2005.

A reportagem é de Gustavo Hennemann e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 13-11-2011.

A pesquisa, divulgada anteontem, aponta que 33% votariam a favor da divisão, que resultaria na criação dos Estados do Tapajós e do Carajás. Os demais disseram não saber como irão votar no plebiscito de 11 de dezembro.

Segundo os líderes dos grupos que defendem a criação do Tapajós e do Carajás, a campanha no rádio e na TV, que começou anteontem, deve favorecê-los.

"Até agora, só havia espaço para os argumentos contrários à divisão, porque os grandes jornais de Belém e a imprensa da capital são contra", diz o deputado federal Giovanni Queiroz (PDT), vice-presidente da Frente Pró-Estado de Carajás.

Conforme o Datafolha, na região de Belém, 80% são contra a criação de Carajás e 77% são contra Tapajós. Já no Carajás e no Tapajós, 84% e 77%, respectivamente, querem a emancipação.

"Achei espetacular a nossa arrancada. Se comparar com a campanha do ["não" ao] desarmamento, nós estamos muito bem colocados e com chances de virada", diz o deputado federal Lira Maia (DEM), presidente da Frente Pró-Estado de Tapajós.

Antes do início da campanha do referendo do desarmamento, cerca de 80% dos brasileiros se diziam contrários à venda de armas. No entanto, os eleitores decidiram manter a venda de armas.

O deputado estadual Celso Sabino (PR), que preside a frente contrária à criação do Tapajós, diz que a vantagem apontada pela pesquisa já era esperada e deve ser ampliada até o dia do plebiscito.

"Na campanha de rádio e TV teremos espaço para desmontar os argumentos infundados dos separatistas, que divulgam supostas vantagens que viriam de repasses da União, mas que são irreais", diz Sabino.

O resultado do plebiscito está nas mãos da região metropolitana de Belém e dos municípios que formariam o Pará remanescente, onde estão 64% da população.


 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupo pró-divisão do Pará aposta em TV para virar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV