Governo quer lista de propina de Nem

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Novembro 2011

O depoimento do ex-chefe do tráfico da Rocinha, Antônio Bonfim Lopes, o Nem, dizendo que metade do faturamento com a venda de drogas na comunidade era destinado à corrupção de policiais, levou o governador Sérgio Cabral e o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, a afirmar que vão punir todos os agentes envolvidos com a quadrilha que dominava o tráfico na maior favela da zona sul do Rio. Beltrame, ainda, instou Nem a entregar todos os policiais a quem ele pagou propina nos anos em que controlou as favelas da Rocinha e Vidigal.

A informação é do jornal O Estado de S. Paulo, 12-11-2011.

Em depoimento à Polícia Federal, segundo publicou o jornal O Globo, o traficante relatou pagamentos de propinas a policiais civis e militares. As declarações vão render inquéritos para investigar a banda podre da polícia do Rio. Ontem, segundo Beltrame, integrantes da Corregedoria Geral Unificada já estavam tentando obter um depoimento de Nem, que está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó.

Nem teria dito aos agentes da Polícia Federal que em alguns meses chegou a não lucrar com o tráfico, por causa dos achaques da polícia, e ressaltou que alguns policiais recebiam mesada de até R$ 50 mil pelo vazamento de informações sobre operações na Rocinha.

Suspeita

Além do testemunho do criminoso, alguns celulares da quadrilha apreendidos pela Polícia Federal tinham etiqueta com a palavra "arrego", o que indicaria que os traficantes tinham linha direta com policiais, que davam proteção.

A Corregedoria da Polícia Civil investiga ainda a atuação do delegado titular da 82.ª Delegacia de Polícia (Maricá), Roberto Gomes Nunes, e dois inspetores que tentaram, sem sucesso, assumir a ocorrência da prisão de Nem na noite de quarta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo quer lista de propina de Nem - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV