Uma Congregação para a Liturgia

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Outubro 2011

Sua publicação, em 27 de setembro, passou quase despercebida. Bento XVI divulgou uma carta apostólica em forma de Motu Proprio intitulada Quaerit Semper, na qual transferiu para a Rota Romana a competência em relação a duas matérias que até então eram tratadas pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. A primeira delas tem a ver com a nulidade da ordenação sacerdotal que, como acontece com o matrimônio, pode ser anulado por vícios de matéria e de forma, de consenso ou de intenção, tanto do bispo que ordena como do clérigo que é ordenado.

A reportagem é de Andrea Tornielli e está publicada no sítio Vatican Insider, 04-10-2011. A tradução é do Cepat.

A segunda matéria, ao contrário, é a dispensa nos casos dos matrimônios contraídos, mas não consumados. O matrimônio é, de fato, indissolúvel, mas a dispensa se dá apenas no caso em que não se tenha consumado (mediante uma relação íntima entre os esposos). Os cônjuges, desta maneira (ambos ou apenas um deles) podem conseguir da Santa Sé uma dispensa que desfaz o vínculo. O estudo e a análise destas práticas ocupava muito do tempo da Congregação para o Culto Divino, dirigida pelo cardeal espanhol Antonio Cañizares Llovera.

Mas, para compreender as razões pelas quais Bento XVI tomou esta decisão, é preciso considerar uma paisagem do Motu Proprio que diz: "Nas circunstâncias atuais, pareceu conveniente que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos se dedique principalmente a dar novo impulso à promoção da Sagrada Liturgia na Igreja, segundo a renovação querida pelo Concílio Vaticano II a partir da Constituição Sacrosanctum Concilium".

O dicastério do culto deve dedicar-se "a dar um novo impulso" à promoção da liturgia, segundo a centralidade em que o Papa Ratzinger tanto insiste, mas também (e, sobretudo) com o exemplo. Não nos deve escapar a referência à constituição conciliar, a primeira aprovada pelo Vaticano II, que Bento XVI quer atualizar. Não é nenhum mistério que durante os anos do pós-Concílio, em nome do Concílio, se tenham feito reformas que não seguem as linhas estabelecidas pelo Concílio. A ideia de Ratzinger, que ele expressou mais de uma vez, é fazer com que nasça de baixo para cima um novo movimento litúrgico para que cresça a consciência da importância da liturgia bem celebrada e para que sejam reduzidos ao mínimo os abusos.

"O que considero absolutamente necessário e urgente – disse o cardeal Cañizares – é dar vida a um movimento litúrgico novo, claro e vigoroso em toda a Igreja. Porque, como explica Bento XVI no primeiro volume de sua Opera Omnia, na relação com a liturgia se decide o destino da fé e da Igreja. Cristo está presente na Igreja mediante os sacramentos. Deus é o sujeito da liturgia, não nós. A liturgia não é uma ação do homem, mas de Deus".

"A renovação conciliar – continua o Prefeito do Culto Divino – foi entendida como uma ruptura e não como um desenvolvimento orgânico da tradição. Devemos renovar o espírito da liturgia e por isso são significativos os gestos que o Papa introduziu nas liturgias: a orientação da ação litúrgica, a cruz no centro do altar, a comunhão de joelhos, o canto gregoriano, o espaço para o silêncio, a beleza da arte sacra. Também é necessário e urgente promover a adoração eucarística: diante da presença real do Senhor não se pode senão adorá-Lo".

"Devemos considerar a renovação litúrgica – concluía o cardeal espanhol – segundo a hermenêutica da continuidade na reforma indicada por Bento XVI para ler o Concílio. E para fazê-lo é preciso superar a tendência de "congelar" o estado atual da reforma pós-Conciliar, que não faça justiça ao desenvolvimento orgânico da liturgia da Igreja. Estamos tentando levar a cabo um grande empenho na formação dos sacerdotes, seminaristas consagrados e fiéis leigos, para favorecer a compreensão do verdadeiro significado das celebrações da Igreja. Isto implica uma adequada e muito ampla instrução, a vigilância e a fidelidade aos ritos e uma autêntica educação para vivê-los plenamente. Este esforço será acompanhado pela revisão e atualização dos textos que introduzem as diferentes celebrações. Também estamos conscientes de que impulsionar este movimento não será possível sem uma renovação da pastoral da iniciação cristã".

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma Congregação para a Liturgia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV