Partícula viaja mais rápido que a luz

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Setembro 2011

Um grupo internacional de cientistas anunciou ontem que partículas fundamentais, conhecidas como neutrinos, são capazes de viajar a uma velocidade mais rápida que a da luz. Outros pesquisadores encararam com cautela a descoberta. No entanto, se o achado for comprovado, uma das regras mais fundamentais da física moderna cairá por terra: a convicção de que nada viaja mais rápido que 299.792.458 metros por segundo.

A informação é do jornal O Estado de S. Paulo, 23-09-2011.

Antonio Ereditato, porta-voz dos cientistas, disse que medições recolhidas nos últimos três anos mostraram que um feixe de neutrinos produzido na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês), próximo a Genebra, percorreu 732 quilômetros no subsolo e atingiu o Laboratório de Gran Sasso, na Itália, 60 nanossegundos mais rápido que a luz.



"Nós temos grande confiança nos resultados. Checamos e rechecamos todas as possíveis fontes de erros e não encontramos nada", afirmou Ereditato. "Queremos agora que outros cientistas verifiquem tudo de forma independente." Se confirmada, a descoberta comprometerá a teoria da relatividade especial, formulada por Albert Einstein em 1905, que diz que a velocidade da luz é uma constante cósmica e nada no universo poderia viajar mais rápido.

A descoberta, totalmente inesperada segundo os cientistas, surgiu no contexto do Projeto Opera, uma iniciativa conjunta do Cern e do laboratório italiano. Cerca de 15 mil feixes de neutrinos - partículas subatômicas que vagam pelo universo e não costumam interagir com a matéria - foram produzidos durante três anos no Cern e enviadas para o Gran Sasso, onde eram capturadas por detectores gigantes.

A luz teria percorrido a mesma distância - de 732 quilômetros - em 2,4 milésimos de segundo. Os neutrinos levaram um tempo 60 bilionésimos de segundo menor. "É uma diferença minúscula", afirmou Ereditato, que também leciona na Universidade Berna, na Suíça. "Mas conceitualmente é incrivelmente importante."

O pesquisador, no entanto, não quis comentar o que acontecerá se outros cientistas confirmarem os resultados. "O achado é tão impressionante que, por enquanto, todos devemos ser prudentes", disse. "Nem quero pensar nas implicações."

Confirmação

Um resultado semelhante havia sido obtido em 2007, nos Estados Unidos. Cientistas detectaram neutrinos enviados do Fermilab, em Illinois, chegando aos detectores do Projeto Minos, em Minnesota, antes do tempo previsto. Mas como o experimento não possuía controles muito confiáveis, a descoberta foi encarada com ceticismo. Agora, com o anúncio do achado europeu, os americanos querem repetir o experimento com mais cuidado.

A existência dos neutrinos, um elemento subatômico com massa muito pequena e produzido no decaimento radioativo ou em reações nucleares foi confirmada em 1934. Contudo, ainda intriga os cientistas. Em um único dia, milhões de neutrinos produzidos pelo Sol atravessam o corpo humano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Partícula viaja mais rápido que a luz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV