Dilma garantiu a Tombini que faria ajuste fiscal

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Setembro 2011

A visão do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sobre o regime de metas de inflação ajuda a compreender o corte de juros da semana passada. Para o ex-presidente do BC, Henrique Meirelles, inflação na meta significava entregar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo em 4,5%. Para Tombini, um dos criadores do modelo de metas no Brasil, o intervalo entre 2,5% e 6,5% serve para acomodar choques passageiros, e o recrudescimento da crise financeira mundial encaixa nesse quesito.

A reportagem é de Lu Aiko Otta e Iuri Danta e publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo, 04-09-2011.

Para completar o quadro, Tombini dispõe de algo inexistente nos oito anos de mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. Agora, o BC e o Ministério da Fazenda tocam a mesma música, sob regência de Dilma Rousseff. Ao cortar os juros pela primeira vez desde 2009, o BC mostrou que se fia na palavra de Dilma. O Planalto assegurou ao BC que a área fiscal iria ajudar no combate à inflação. Cabia ao time de Tombini estimular a economia.

Esse quadro foi traçado em reuniões entre o Tombini e Dilma, segundo fontes ouvidas pelo "Estado". Para o Planalto, bastava ao mercado ler os sinais enviados pelo governo para entender que uma queda dos juros era não apenas inevitável, mas próxima.

Ao anunciar, na véspera da decisão do Copom, que o governo iria economizar R$ 10 bilhões de arrecadação extra, o governo tentava capitalizar politicamente uma decisão tomada nos bastidores e sinalizar que a austeridade era pra valer.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma garantiu a Tombini que faria ajuste fiscal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV