Pela primeira vez na história, EUA têm a nota dos títulos de sua dívida rebaixada

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

    LER MAIS
  • É desumano continuar a morrer sozinhos. E não digam que não poderia ter sido feito de outra forma

    LER MAIS
  • A vacina não é um bem comum

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2011

A maior economia global já não tem os títulos mais confiáveis do mundo.

A agência de avaliação de risco Standard & Poor`s rebaixou ontem a nota dos papéis da dívida do governo americano. A decisão pode trazer forte impacto para as Bolsas e para a economia mundial.

A reportagem é de Álvaro Fagundes e publicada pelo jornal Folha  de S. Paulo, 06-08-2011.

O Tesouro americano contestou a decisão e tentou evitá-la, argumentando que houve erro na análise das contas americanas. O Fed (BC americano) afirmou que os empréstimos de títulos para instituições financeiras.

Pela primeira vez desde 1917, quando a agência concedeu o grau máximo de segurança, os papéis americanos, sempre considerados os mais seguros do mundo, perderam a nota AAA.

Agora, os papéis de longo prazo da dívida americana são considerados menos confiáveis que de França, Reino
Unido, Liechtenstein, Holanda e Austrália, por exemplo.

Papéis americanos são o principal refúgio para investidores em momentos de incerteza, como nesta semana, quando Bolsas desabaram.

Para a Standard & Poor`s, o plano de cortes fechado nesta semana pelo governo americano e pelo Congresso para elevar o teto da dívida foi insuficiente para "estabilizar as dinâmicas da dívida de médio prazo".

Disse ainda que a "eficácia, a estabilidade e a previsibilidade da formulação de políticas e das instituições enfraqueceram mais que o esperado em momento de desafios fiscais e econômicos".

Esse trecho se refere às dificuldades para governo e oposição chegarem a um acerto sobre o teto da dívida, que só foi consumado praticamente no último minuto.

A empresa colocou ainda os títulos sob perspectiva negativa, dizendo que poderá rebaixá-los novamente em dois anos, caso os cortes nos gastos sejam inferiores ao que espera e o aumento nos juros e as novas pressões fiscais não estejam de acordo com o cenário que projeta.

Há uma chance de que a decisão não tenha forte impacto, já que as outras duas grandes agências de risco - Fitch e Moody`s - reafirmaram a nota americana.

Em geral, fundos que só investem em papéis AAA exigem que eles recebam a classificação por pelo menos duas das três gigantes.

Porém, pode haver forte efeito psicológico num momento em que crescem as dúvidas sobre a economia.

Também não se sabe se investidores exigirão rendimento maior para aplicar nos títulos dos EUA. O Brasil é o
terceiro maior credor do país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pela primeira vez na história, EUA têm a nota dos títulos de sua dívida rebaixada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV