Plano ajuda a enfrentar China, mas não inova

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

    LER MAIS
  • É desumano continuar a morrer sozinhos. E não digam que não poderia ter sido feito de outra forma

    LER MAIS
  • A vacina não é um bem comum

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Agosto 2011

No início do ano, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, costumava dizer que o Brasil precisava de um "Sputnik": um programa maciço de inovação tecnológica para driblar a crise internacional e estimular sua indústria.

A nova política industrial passa longe disso. Desenhada para combater um sintoma - a conjuntura externa desfavorável e o sucateamento de indústrias tradicionais em competição com a China -, ela é tímida no ataque à doença - a falta de investimentos em pesquisa.

O comentário é de Cláudio Angelo, jornalista, e publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, 03-08-2011.

Além disso, não resolve o nó da competitividade das empresas a longo prazo.

A própria decisão de anunciar uma política industrial separada da política de ciência e tecnologia (a ser conhecida nas próximas semanas) denuncia essa dissociação cognitiva do governo.

As indústrias mais beneficiadas pela desoneração da folha de pagamento são quase todas do século XIX (calçados, confecções e móveis), que geram muito emprego, mas pouco valor agregado.

A exceção é a de softwares e TI, que ganhou mais do que pediu: queria gastar até 2,7% do faturamento, levou 2,5%.

Já recursos para indústrias do século XXI, como biotecnologia, energias renováveis e espaço, foram em geral ensacados numa linha de R$ 2 bilhões da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) que não é nova. O recurso já tinha sido anunciado e foi quase todo disponibilizado.

"Fiquei achando que eles haviam guardado alguma coisa para anunciar amanhã [hoje] num evento com empresários", disse Carlos Américo Pacheco, do Instituto de Economia da Unicamp.

Segundo ele a formação de engenheiros, por exemplo, um dos gargalos da indústria de base tecnológica nacional, poderia ter sido objeto de medidas mais agressivas.

Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), elogiou o programa de compras governamentais.

Mas observa: "Isso não está no bloco de inovação. Seria mais útil que elas considerassem a capacidade tecnológica, e não simplesmente favorecer um setor porque ele não pode competir".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Plano ajuda a enfrentar China, mas não inova - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV