A guerra cambial de Mantega

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Encontrar um sentido para suportar as adversidades. A sabedoria de Viktor Frankl

    LER MAIS
  • O dia em que Bolsonaro latiu mas não mordeu

    LER MAIS
  • “Bolsonaro se acha capaz de esconder os corpos”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Julho 2011

"Como o governo vai reagir se o dólar voltar a se desmilinguir diante do real?". O  jornalista Vinicius Torres Freire em artigo publicado pelo jornal Folha de S.Paulo, 29-07-2011, relata as possíveis medidas do governo.

Eis o artigo.

Como o governo vai reagir se o dólar voltar a se desmilinguir diante do real? "Temos instrumentos para tomar providências. As medidas sobre o mercado de derivativos nos permitem um amplo leque de ações", afirma à Folha o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Anteontem, o governo baixou grande intervenção no mercado de contratos futuros em moeda estrangeira. Criou imposto, pode definir volumes, prazos, garantias e tipos de contratos. Por quê? "Do modo como as coisas iam, o dólar iria logo baixar de R$ 1,50", diz Mantega.

Se o dólar continuar a "derreter", o governo pode elevar os depósitos de garantias para esses contratos, o que na prática encarece a operação. Em seguida, pode elevar o IOF sobre as transações. Essas são as próximas balas a entrar na agulha.

"Se abusarem, vamos continuar a tomar providências", diz. "No caso dos investimentos em renda fixa, Bolsa etc., começamos o controle com uma alíquota baixa de IOF [o governo começou a taxar a entrada desses investimentos em 2009]. Elevamos [a alíquota do imposto] até considerar que havíamos conseguido nossos objetivos, que são tanto prudenciais, de evitar excessos, como o de evitar essa pressão de desvalorização do dólar", diz o ministro.

"No caso dos derivativos, podemos fazer a mesma coisa, aumentar a pressão aos poucos. Quando vimos o resultado da limitação da posição cambial vendida dos bancos, consideramos que era preciso fazer mais." O ministro se refere à restrição do tamanho do passivo em dólar no mercado à vista, medida adotada pelo Banco Central no dia 8 passado.
"Observamos diariamente os fluxos de investimento, o aumento das posições vendidas, o aumento da exposição. Chega uma hora, é preciso conter os exageros, em nome da prudência e do setor produtivo brasileiro, que está sofrendo muito com o dólar barato e práticas comerciais desleais."

Segundo Mantega, no início deste mês Fazenda e BC já haviam discutido com Dilma Rousseff a hipótese de uma intervenção no mercado de derivativos. Nos últimos dois meses, havia o rumor de que a presidente não aceitaria novas medidas que pudessem desvalorizar o real, pois isso dificultaria o combate à inflação, a sua prioridade.

Alguns investidores e economistas dizem que a intervenção no mercado de derivativos, que encarece tais operações, além da incerteza criada pelos novos poderes do governo, pode fazer com que os negócios migrem para mercados desregulados no exterior. Para Mantega, o risco e o preço de fazer tais contratos lá fora não compensam o custo imposto pelas medidas baixadas pelo governo.

"O nosso mercado financeiro é sólido, bem regulado, amplo, líquido. Difícil acreditar em migração para o exterior."
Sobre as dificuldades técnicas de implementação da medida, outro problema que tem limitado os negócios cambiais desde quarta-feira, Mantega afirmou que "lamenta, mas não havia outro jeito. Não é possível discutir antecipadamente tais medidas com o mercado. Mas os procedimentos estão sendo ajustados e, na verdade, ouvimos pouquíssimas queixas sérias sobre a mudança".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A guerra cambial de Mantega - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV