Refundar o capitalismo?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma nova Casa Comum possível

    LER MAIS
  • A fé do Brasil dividido

    LER MAIS
  • O crime da Vale em Brumadinho: metáfora de um sistema minerário predatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Julho 2011

"O capitalismo é imoral por sua máxima eficiência", escreve José Ignacio González Faus, teólogo espanhol, jesuíta, no seu blog Miradas Cristianas, 18-07-2011. A tradução é de Benno DIschinger.

Eis o artigo.

Refundar ou refundir: „this is the question“. Porque os grupos do 15M podem ter cometido erros e gerado desvios; mas, todas essas falhas não nos autorizam a ignorar a enorme dose de razão que tinham ao denunciar que os gestores da coisa pública estão aproveitando a crise para pôr em prática aquela máxima de El Gatopardo: “mudar tudo o que faça falta para não mudar nada”. E assim mudaram as palavras e prosseguiram tão contentes: o aristocrata Sarkozy tem sido, neste caso, um autêntico marquês de Lampedusa.

Se alguém quer entendê-lo melhor, lhe recomendo o livro de Luis González-Carvajal (El hombre roto por los demônios de la economia) que é do melhor que tenho lido sobre nossa situação crítica. E conste que não percebo nenhuma dicotomia neste conselho.

O autor é uma das melhores vozes do momento em ética social cristã. O mais irritante dele é que sua linguagem não é nada profética nem indignada, senão tranquilamente cinza: ele me recorda Francisco de Vitoria que, falando sempre de seu escritório e sem os acentos atroadores de Bartolomé de Las Casas, chegou praticamente às mesmas conclusões do que este, e foi “pai do direito das gentes”. Ou aqueles versos de M. Machado sobre Berceo: sua prosa “é doce e grave, monótonas fileiras – de choupos invernais onde nada brilha”.

E, sem brilho, porém com matiz diáfano cegante, como se estivesse falando de coisas não transcendentes como botões ou cromos, ele chega a certas conclusões que soam como obviedades elementares. Porém essas obviedades queimam tanto que ninguém se atreverá a recebê-las em suas mãos...

Ali se nos fala de ética e economia, da moral cristã sobre a propriedade, do mercado e da globalização. E resulta que o capitalismo é imoral precisamente por sua máxima eficiência: porque essa finalidade do máximo lucro se consegue aceitando que o fim justifica todos os meios. E também resulta que a visão cristã da propriedade está mais próxima do desplante de Proudhon (“a propriedade é um roubo”) do que da doutrina neoliberal: porque a propriedade não é um direito natural, o direito natural é o destino dos bens da terra. E a propriedade privada é um direito positivo que só tem vigência na medida em que serve para realizar esse destino comum dos bens. E o mercado precisa ser regulado “atacando audazmente os ídolos do liberalismo” porque “a ditadura econômica se apossou do mercado livre” (ambas frases de Pio XI).

Carvajal recorda oportunamente que Marx já sublinhara que não atacava os empresários como pessoas, senão como personificações ou confecções de um sistema cruel por estar supeditado à necessidade do máximo lucro e à concorrência feroz para obtê-lo.

É certo que, enquanto existiu o pânico à ameaça comunista, o sistema se disfarçou como o lobo de capuzinho, e aceitou reformas muito radicais como as dos impostos progressivos. Em tempos de Nixon, as grandes fortunas norte-americanas chegavam a pagar 70% de impostos. Nos anos da queda do Leste comunista e a ascensão de
Reagan chegaram a baixar até 28%. É-nos explicado que, ao baixar-lhes os impostos, as grandes fortunas têm mais capital para investir e assim criam novos empregos. Não faz muitos anos que nos cansamos de ouvir essas razões em boca do então ministro Acebes, com uma sensibilidade tão pouco cristã como economicamente falsa: porque, ao baixar-lhes os impostos, o que fazem as grandes fortunas é emprestar aos governos que necessitam de dinheiro, ou investir em engenharias financeiras que resultam mais rentáveis, sacando assim mais benefícios de um dinheiro que moralmente não era seu.

Se tudo isso molesta, suavizemo-lo com dois textos papais citados pelo autor: “a Igreja não pretende apoiar pura e simplesmente o atual estado de coisas, como se visse nisso a expressão da vontade divina, nem pode proteger por princípio o rico e o poderoso contra o pobre e o desprovido. Pelo contrário!” (Pio XII). “As necessidades dos pobres devem ter preferência sobre os desejos dos ricos, os direitos dos trabalhadores sobre o incremento dos lucros; a defesa do ambiente sobre a expansão industrial incontrolada; uma produção que responda a exigências sociais sobre uma produção com objetivos militares” (João Paulo II).

Até papas conservadores diziam essas coisas que soam tão de esquerda. Outra coisa é que os católicos tenham feito caso disso. Eles se preocupam mais é com o preservativo...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Refundar o capitalismo? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV