Premiê sugere o fim da energia nuclear no Japão

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Julho 2011

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, disse ontem que a crise da usina de Fukushima o convenceu de que o país deve gradualmente abandonar a energia nuclear. Sem citar prazos para implantação da medida, também pediu a realização de um debate sobre a adequação de empresas privadas administrarem as usinas.

"Deveríamos reduzir a dependência nuclear de uma maneira planejada e passo a passo. Deveríamos, por fim, criar uma sociedade que não precise de energia atômica", afirmou. Quatro meses após o desastre em Fukushima, a oposição à energia nuclear está crescendo no país. O jornal "Asahi" divulgou pesquisa em que 77% dos entrevistados se manifestaram contra essa opção, uma alta de três pontos percentuais em relação ao mês anterior.

A notícia é do jornal Valor, 14-07-2011.

Anteontem, Kan declarou no Parlamento que o Japão deveria descartar o plano de aumentar a dependência nuclear para 53% até 2030. Antes do terremoto em março, as usinas nucleares respondiam por aproximadamente 28% da matriz energética do país. Atualmente a parcela é de 18% - 35 dos 54 reatores do país tiveram a produção paralisada.

Sem a alternativa nuclear, a geração energética do país caiu 11%, levando o governo a lançar uma campanha para população e empresas economizarem eletricidade. O ministro da Economia, Kaoru Yosano, manifestou preocupação em relação ao custo econômico da proposta de Kan, afirmando que a substituição da energia nuclear por combustíveis fósseis cortaria dezenas de bilhões de dólares do Produto Interno Bruto japonês.

No entanto, há dúvidas sobre se Kan terá condições políticas para estabelecer essa transição. O premiê perdeu muito apoio entre a população e o seu próprio partido. Em função das críticas que recebeu pela maneira como conduziu a reação ao terremoto e ao desastre nuclear, viu-se obrigado a prometer sair em breve do cargo para evitar um voto de desconfiança no Parlamento.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Premiê sugere o fim da energia nuclear no Japão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV