Terrorismo vence indignação na Grécia

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Julho 2011

As letras vermelhas sobre o fundo amarelo da faixa estendida pelos "indignados" diante do Parlamento grego gritam, em espanhol mesmo: "No pasaran".

A frase pertence a Dolores Ibarruri, "La Pasionária", célebre revolucionária comunista, e foi usada durante a Guerra Civil de 1936/39, como espécie de escudo retórico contra o avanço das tropas do general Francisco Franco.

A reportagem é de Clóvis Rossi e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 03-07-2011.

Apesar do grito, as tropas passaram, assim como, apesar da faixa, passou no Parlamento grego um duríssimo pacote de ajustes, que a faixa tentava brecar. O grito, na verdade, é representativo do sentimento de 87% dos gregos que disseram, em recente pesquisa para o jornal "Kathimerini" (O Diário), que o país adotou rumo errado.

Os aganakitsmeni, indignados em grego, são, portanto, apenas a fração mobilizada da maioria. Mas o Parlamento preferiu ouvir outro grito, a apocalíptica previsão do vice-primeiro-ministro Theodoros Pangalos.
"Se não vier o dinheiro [da União Europeia/FMI, condicionado à aprovação do pacote], enfrentaremos um terrível cenário, a volta da dracma [a antiga moeda grega], com os bancos sitiados por multidões aterrorizadas querendo retirar suas poupanças, veremos tanques protegendo bancos porque não haverá policiais suficientes para fazê-lo", disse.

A vitória do terrorismo retórico sobre a indignação é, no entanto, precária. Aprovado o pacote, o governo já não pode acenar com o caos, exatamente o contrário do que fazem os críticos do pacote.

Nick Malkoutzis, colunista do "Kathimerini", escreve, por exemplo, que "os deputados tocaram o sino de finados pra a classe média, que gozou de prosperidade sem paralelo desde os anos 80".

É essencialmente essa classe média - cujo poder de compra caiu para os níveis de 2002 - que manteve acesa a chama da indignação: na noite de sexta-feira, primeiro dia de vigência do novo pacote, seus representantes exibiam de novo para o Parlamento a "moutza", a mão espalmada, ancestral gesto de ofensa, o maior que gregos conhecem.

O gesto é assim traduzido politicamente por Vassiliki Georgiadou, professora de Ciência Política da Universidade Panteion:

"Essas pessoas estão profundamente desiludidas com os políticos, com os partidos políticos e com as instituições em geral".

Aliás, não é de agora, segundo Georgiadou: nos anos 90, pesquisa mostrou que 9 de 10 gregos estavam desapontados com a democracia. Como a democracia grega continua funcionando da mesma maneira, era inevitável que os jovens gregos importassem da Espanha o slogan-chave de seu protesto: querem "democracia real".

Explica o escritor e poeta Petros Markaris: "Os gregos estão convencidos de que a classe política atual é incapaz de tomar medidas eficazes para tirar o país de sua trágica condição".

Cria-se um círculo de ferro: para o governo, evitado o suposto apocalipse, fica a desconfiança sobre a efetiva implementação do pacote. É eloquente que 77% dos ouvidos pela revista "The Economist" digam que a implementação não acontecerá.

Para a rua, fica a avaliação de Kostas Pliakos, chefe de redação do jornal "Eleutheros Typos" (Imprensa Livre):

"Os indignados necessitam já uma base política ou terão que dissolver-se sem que fique rastro de seus protestos".

Não pode ser casual que drama e tragédia sejam palavras gregas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Terrorismo vence indignação na Grécia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV