A guerrilha que os comunistas silenciaram

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Três ''nãos'' problemáticos de Francisco

    LER MAIS
  • Crise política e desesperança geral. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Junho 2011

O jornalista Marcelo Oikawa apresentou durante a 10ª Jornada de Agroecologia que se encerrou nesse final de semana em Londrina, o livro Porecatu: a guerrilha que os comunistas esqueceram (Editora Expressão Popular). Quatro mil camponeses, militantes, estudantes e pesquisadores lotaram o ginásio da Universidade Estadual de Londrina (UEL), para ouvir o jornalista. Sobre Porecatu e a influência do PCB, afirma Oikawa: “Uma parte do PCB acabou considerando Porecatu como um dos maiores erros cometidos pelo Partido. Uma outra parte silenciou”, declara o escritor

A reportagem é de Michele Torinelli e publicada no blog da Jornada Jornada de Agroecologia, 25-06-2011

Estiveram presentes, e foram colaboradores da obra, o advogado Laércio Souto Maior, a vereadora Lenir de Assis (PT-PR), o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) João Pedro Stédile, o professor da Universidade Federal do Paraná UFPR) Osvaldo Heller da Silva e a ex-deputada estadual Elza Correia, filha de Manoel Jacinto, um dos líderes da guerrilha de Porecatu.

Oikawa declarou-se honrado em coroar seu trabalho de 20 anos de pesquisa na presença de tantos amigos e, principalmente, de trabalhadores rurais que hoje são assentados e acampados da região de Porecatu. “Eles estão nas mesmas fazendas em que na época os trabalhadores entraram em greve por melhores condições de trabalho e em apoio à luta dos posseiros em defesa de suas terras”, acrescenta. Elza acredita que seus pais estão muito contentes com o trabalho do jornalista, onde quer que estejam. “Hoje eu vejo aqui, na luta pela terra, muitos Manoeis e Anitas Jacinto”, diz.

O objetivo da obra é romper o silêncio em torno desse conflito. “Em Porecatu, a palavra camponês foi usada pela primeira vez no Brasil, para designar o trabalhador rural sem terra, arrendatário, colono ou pequeno proprietário. Foi também por causa de Porecatu que no Brasil se assinou pela primeira vez um decreto de desapropriação de terras para fins sociais. Apesar de tudo isso, a guerrilha de Porecatu é praticamente desconhecida”, conta o escritor.

Histórico do conflito

Era final da década de 1930, implantava-se o Estado Novo de Getúlio Vargas. A política nacional, baseada no exemplo estadunidense de Abraham Lincoln, realizava a “Marcha para o Oeste”, com o objetivo de povoar o então esvaziado interior do país. O interventor Manuel Ribas aplicou a iniciativa no Paraná, e milhares de pessoas de todo o Brasil atenderam ao seu chamado.

Em 1945 caem Getúlio, o Estado Novo e Manuel Ribas. Moisés Lupion assume o governo estadual e, para favorecer a elite agrária, estabelece uma nova divisão das terras. “Aqueles que haviam sido convidados agora eram considerados intrusos”, esclarece o jornalista.

O movimento começou com a instalação de cerca de 300 posseiros em 1940 e chegou ao fim com o envolvimento de três mil pessoas, em 1951. A luta armada iniciou-se em 1944; quatro anos depois, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) assumiu a liderança e chegou a controlar uma área de 40 km².

“Uma parte do PCB acabou considerando Porecatu como um dos maiores erros cometidos pelo Partido. Uma outra parte silenciou”, declara o escritor. Ao final do conflito dois dos comandantes guerrilheiros receberam a incumbência de reconstituir a luta. Escreveram quinhentas páginas que foram encaminhadas ao dirigente Carlos Marighella. A partir daí não houve mais notícias sobre o documento.

“Os posseiros queriam a terra, os comunistas queriam o poder”, aponta Oikawa. Ele acredita que justamente por essa dicotomia posseiros e comunistas acabaram sendo derrotados por um forte aparato militar que mobilizou centenas de homens das forças públicas de São Paulo e Paraná, além do Batalhão de Fronteira do Exército sediado em Foz do Iguaçu e a Força Aérea Brasileira.

Luta e mobilização

Apesar da derrota sofrida, diversas conquistas ocorreram em decorrência do conflito: foi nessa região que surgiram as duas primeiras Associações de Lavradores do Brasil, em 1944. A primeira em Porecatu, com 270 famílias; a segunda em Guaraci, com 268 famílias. Até o final do conflito existiam doze associações, já com o nome de Ligas Camponesas.

A guerrilha foi o motor não só da organização camponesa, mas também da comunista. Segundo Oikawa, dezenas de sindicatos foram fundados por comunistas em todo o norte, noroeste e oeste do Paraná, chegando a 67 em 1964.

Stédile apontou a importância de que conheçamos nossa história. Quando militantes decidiram fundar o MST em 1984, não sabiam direito que forma o movimento assumiria, por isso optaram por ouvir àqueles que lutaram antes deles. “Nós só fazíamos duas perguntas: no que vocês acertaram e no que erraram?”, conta Stédile.

O coordenador do MST apelidou Oikawa de “novo Lênin de Porecatu”, porque assim como o líder soviético, teve a sabedoria de registrar em livro o que o povo fez na prática. Já a vereadora Lenir de Assis agradeceu o escritor por não deixar apagar da memória as conquistas feitas com tanta luta, tanto sangue, e nesse caso, tão próxima dos paranaenses. “Quero agradecer também ao MST e à Via Campesina por não deixarem essa luta morrer”, enfatizou Lenir.

Crédito da foto: Joka Madruga.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A guerrilha que os comunistas silenciaram - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV