Megaprojeto de Piñera sofre revés

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • O encontro com Esther Duflo, Prêmio Nobel de Economia

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2011

A decisão do Tribunal de Apelações de Puerto Montt se somou às manifestações que foram realizadas nas principais cidades do país contra a degradação de uma das mais belas paisagens naturais do Chile.

A reportagem é de Christian Palma e publicada pelo Página/12 , 21-06-2011. A tradução é do Cepat.

O milionário projeto que a Endesa Chile e a endinheirada família chilena Matte (Colbún) pretende levantar na Patagônia chilena (7 bilhões de dólares em cinco hidrelétricas de 2750 MW e 2000 quilômetros de cabos), sofreu um duro revés depois que foi reconhecida a primeira fase da ação de que o projeto irá afetar os rios Pascua e Baker. O Tribunal de Apelações de Puerto Montt acolheu os três recursos de proteção e emitiu uma liminar que paralisa por ora o avanço das megacentrais hidrelétricas.

A decisão se soma as numerosas e massivas marchas que aconteceram em Santiago e nas principais cidades do país, onde não apenas os ambientalistas, mas o público em geral rejeitou as obras em uma das mais belas paisagens naturais do Chile.

O projeto tem aumentado as críticas ao governo de Sebastián Piñera, uma vez que está relacionado com o mundo dos negócios. A baixa nas pesquisas sobre a popularidade do presidente e o seu governo endossam essa recusa.

O tribunal de apelações emitiu a decisão depois de declarar admissíveis os recursos interpostos pelo senador Antonio Horvath e Guido Girardi e os deputados e Enrique Accorsi e Patrick Vallespín em conjunto com várias organizações ambientalistas e de defesa Patagônia. A decisão foi comemorada. Guido Girardi, que também é presidente do Senado chileno, disse: "Esta é uma grade decisão para o Chile e esperamos que se perceba que este projeto é ilegal, foi resultado de um lobby, é cheio de conflitos de interesse e houve graves irregularidades ".

O senador Antonio Horvath, que pertence ao partido da situação, Partido Nacional Renovação, mas que desde o início se mostrou contrário ao projeto, espera que a decisão do Tribunal de Apelações de Puerto Montt faça com que o governo reconsidere. "Foi muito acertado o Tribunal de Apelações de Puerto Montt ter colhido os três pedidos", disse ao diário La Tercera.

Segundo o parlamentar, o apoio público de alguns ministros Piñera ao projeto, "rompe a institucionalidade porque os ministros são instâncias de recurso" e espera que esta decisão contrária ao megaprojeto dê força ao tema das energias alternativas.

Enquanto isso, o Conselho de Defesa da Patagônia afirmou que foi restabelecido o Estado de direito e se demonstrou que a iniciativa aprovada foi "o projeto mais irregular na história do Chile."

Do outro lado, o advogado da HidroAysén, Mario Galindo, minimizou a decisão. Em sua opinião, a decisão constitui um tramite judicial de natureza administrativa que não paralisa o projeto energético, mas apenas limita-o. O advogado irá apresentar recursos às ações interpostas por um grupo de parlamentares e organizações ecológicas de defesa da Patagônia. Segundo o sítio El Dinamo, o advogado disse que a resolução foi "meramente formal e que não há pronunciamentos sobre a legalidade e ilegalidade solicitada pela recorrente".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Megaprojeto de Piñera sofre revés - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV