"Estado é coautor de mortes no campo"

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Bolívia: um levante popular aproveitado pela extrema direita. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Junho 2011

"Estado e União são uma espécie de coautores do crime", dispara o advogado José Batista Afonso, sobre a morte do casal de extrativistas José Claudio e Maria do Espírito Santo. Desde 1992, José Batista trabalha como defensor de Direitos Humanos no Estado do Pará. Formado em teologia, atuou de 1992 a 1996 como agente de pastoral da Diocese de Conceição do Araguaia e coordenou, em Xinguara, o Movimento Pela Vida e Contra a Violência.  Em 1996, Batista, como é conhecido, começou a trabalhar na Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Diocese de Marabá, no sudeste paraense, região marcada por graves conflitos agrários.  Após ingressar na faculdade de direito no mesmo ano, passou a atuar na assessoria dos movimentos camponeses da região, entre eles, MST, MAB e Fetagri.

A reportagem é de Evandro Corrêa e publicada pelo jornal O LIberal, 14-06-2011.

Atualmente advogado da CPT de Marabá, Batista também foi membro da Coordenação Nacional da entidade e é um dos articuladores nacionais da Rede Nacional dos Advogados e Advogadas Populares (RENAP).  No sudeste do Pará, advoga a causa de trabalhadores ligados aos movimentos sociais do campo.  Acompanhou o processo de Eldorado dos Carajás, atuou como assistente da acusação no processo que apurou os assassinatos do advogado Gabriel Sales Pimenta e da missionária Dorothy Stang.  Ele também atua em dezenas de processos que visam a apuração de assassinatos de camponeses na região, entre eles, o assassinatos das lideranças Onálício Barros (MST), José Dutra da Costa (FETAGRI) e acompanha as apurações das mortes dos extrativistas, José Cláudio e Maria do Espírito Santo, assassinados na manhã do dia 24 de maio, na zona rural do município de Nova Ipixuna.

Como reconhecimento por seu trabalho, recebeu, em dezembro de 2008, o Prêmio João Canuto de Direitos Humanos e foi também condecorado, em abril de 2009, com a Medalha Chico Mendes, concedida pelo Movimento "Tortura Nunca Mais", sediado no Rio de Janeiro.  As regiões sul e sudeste do Pará, onde atua o advogado José Batista Afonso, são conhecidas nacional e internacionalmente, pelas graves violações dos direitos humanos no campo.  São mais de 800 assassinatos de trabalhadores rurais, lideranças sindicais, advogados e religiosos nas últimas décadas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Estado é coautor de mortes no campo" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV