Descontinuidade e continuidade do pensamento crítico

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • "O pior de tudo em Manaus é a sensação de impotência"

    LER MAIS
  • “Pelo amor de Deus, nos enviem oxigênio”, apelam os bispos do Amazonas e Roraima

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês - " “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Abril 2011

Passaram-se mais de 20 anos desde a queda do muro de Berlim, e, na Europa, fala-se novamente de revolução. Algo está, de fato, se movendo também no "hemisfério de esquerda" do pensamento mundial. Essa é a tese apresentada pelo estudioso Razmig Keucheyan na sua preciosa cartografia do pensamento crítico contemporâneo.

A reportagem é de Teresa Pullano, publicada no jornal Il Manifesto, 15-04-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Hémisphère gauche. Une cartographie des nouvelles pensées critiques (Ed. La Découverte, 3.224 páginas) oferece um quadro precioso e articulado sobre o que está em jogo hoje para reconstruir um pensamento que recomponha a aliança entre elaboração teórica e lutas políticas.

Keucheyan se interroga sobre as condições da derrota, sobre o que resta dela e sobre quem são os novos sujeitos da emancipação. O tímido degelo atual segue a longa "glaciação" que atingiu o marxismo ocidental a partir dos anos 1980. Com o fechamento de qualquer possibilidade na Europa, o pensamento crítico não só emigrou para a América, mas se globalizou, abrindo-se para as elaborações provenientes dos quatro cantos do planeta. Mas o que aconteceu com os intelectuais que faziam parte da "nova esquerda", ou seja, aquele movimento que recusou a alternativa entre o socialismo real e o capitalismo?

Keucheyan os divide em seis categorias. Há os convertidos, ou seja, aqueles que, depois dos anos 1970, deixaram de elaborar um pensamento crítico (Alain Finkielkraut ou Pierre Rosanvallon, na França; Lucio Colletti, na Itália); os pessimistas, que seguem o lema de Frederic Jameson segundo o qual é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo (Perry Anderson); os resistentes, que são aqueles que permanecem fiéis ao compromisso de tempos atrás: Noam Chomsky, Daniel Bensaïd e Alex Callinicos entre outros.

Há também os inovadores, para os quais a hibridização é condição da criatividade, e são os mais numerosos: Michael Hardt e Toni Negri, Silvia Rivera Cusicanqui ou Paul Gilroy. Os especialistas colocam à disposição de um projeto político o seu saber especializado: um exemplo é Vandana Shiva, física de formação e ecologista. Os dirigentes ocupam posições de destaque em um grupo político e são, portanto, mais semelhantes à tipologia clássica dos intelectuais marxistas. Essa categoria é a mais exígua: conta com o subcomandante Marcos, Alvaro Garcia Linera, vice-presidente da Bolívia, e o falecido Edward Saïd, de 1977 a 1991 membro do Conselho Nacional Palestino (a assembleia legislativa da OLP [Organização para a Libertação da Palestina]).

Para Keucheyan, um dos pensamentos críticos mais influentes dos últimos anos é o ligado às teorias do império e da multidão de Toni Negri e Michael Hardt. Também graças às críticas negrianas, hoje se assiste a uma renovada reflexão sobre o imperialismo, com menos atenção para os fatores econômicos e mais para a dimensão política e cultural. Os trabalhos de Leo Pantich e de Robert Cox vão nessa direção.

Um dos nós é o do papel dos Estados nacionais: são ainda os principais atores do jogo político ou foram ultrapassados por órgãos internacionais? Benedict Anderson usa a história colonial para jogar uma nova luz sobre a nação, comunidade imaginada além de um conjunto de instituições. Na Europa, essa reflexão é levada adiante por filósofos como Étienne Balibar e Jürgen Habermas.

A análise das várias formas de capitalismo está no centro das teorias críticas contemporâneas, com os trabalhos de Giovanni Arrighi, Robert Brenner e David Harvey, aos quais se associam as ideias de capitalismo fóssil de Elmar Altvater, que estudam as relações entre capitalismo e ecologia.

Tarefa do pensamento crítico contemporâneo é o de entender quem é hoje o sujeito de uma revolução possível, uma vez decaída a centralidade da classe operária. Jacques Rancière e Alain Badiou, na França, e o esloveno Slavoj Zizek se concentram sobre a possibilidade de emancipação dos sujeitos das democracias ocidentais.

O pós-feminismo de Judith Butler, Gayatri Spivak e Donna Haraway prolonga a investigação sobre a diferença de gênero com os instrumentos do pós-estruturalismo de Foucault, com os estudos pós-coloniais e a condição das mulheres nas periferias do mundo e, enfim, com a análise das novas tecnologias, como o trabalho da filósofa norte-americana Haraway que conecta a subordinação das mulheres à da natureza e à pesquisa sobre os ciborgues.

A questão da identidade substituiu as velhas categorias de estrutura e de classe social, como demonstram os trabalhos de Alex Honneth, Nancy Fraser e Ernesto Laclau, dentre outros. O conceito de classe é hoje revisitado e atualizado pelos trabalhos de David Harvey, segundo Keucheyan um dos mais refinados pensadores críticos contemporâneos. Para Harvey, a classe hoje se constrói também em relação com o espaço e a cidade. O bairro é, desse modo, a nova fábrica, e os espaços populares das metrópoles são também potenciais espaços de resistência. Como se pode entender da riqueza das referências, está, talvez, abrindo-se uma época fértil para as teorias críticas.

Keucheyan indica, enfim, vários pontos ao redor dos quais é possível se concentrar: a questão estratégica, a ecológica e a pós-colonial. Deve-se procurar reativar uma racionalidade estratégica. Seguindo a fórmula de Balibar, o grande encontro fracassado do século XX foi talvez o entre os dois maiores teóricos e práticos da revolução, Lênin e Gandhi. Um encontro que permitiria conjugar a tática revolucionária com a dimensão simbólica da não violência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Descontinuidade e continuidade do pensamento crítico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV