Centro-direita se divide em pleito no Peru

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Para Bolsonaro, a crise climática é uma fantasia, “um complô marxista”. Entrevista com Eliane Brum

    LER MAIS
  • “Como vocês explicarão aos seus filhos que desistiram?”. Discurso de Greta Thunberg em Davos

    LER MAIS
  • Em São Carlos, SP, direita adota tática nazista contra manifestantes, em visita da Ministra Damares Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Abril 2011

O Peru se prepara para votar na eleição presidencial amanhã com a oposição ao candidato de esquerda, Ollanta Humala, rachada.

A reportagem é de Patrícia Campos Mello e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 09-04-2011.

Humala vem liderando as pesquisas de opinião. Recentemente, a candidata populista de direita, Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, chegou ao segundo lugar nas pesquisas.

Alejandro Toledo, o ex-presidente que estava em primeiro e foi caindo, convocou os outros candidatos de centro-direita a se unirem "para defender a democracia ameaçada" pela possibilidade de segundo turno entre Humala e Keiko na eleição.

Mas seu apelo foi rechaçado por Pedro Pablo Kuczynski, conhecido pelas iniciais PPK, e pelo ex-prefeito de Lima Luis Castañeda, os outros candidatos de centro-direita.

PPK acusou Toledo de "truque" e disse que não renunciará, pois acredita ter chances de passar para o segundo turno. Castañeda também rejeitou a convocação.

E, para completar, o Apra, partido do atual presidente, Alan García, anunciou que dará apoio a PPK, e não a Toledo, como se esperava.

Toledo afirmou ontem que Keiko representa um "regresso ao passado obscuro de um governo corrupto e de violações contra direitos humanos", referindo-se ao ex-presidente Alberto Fujimori.

Humala, para o candidato, representa "um salto para o vazio, uma proposta intervencionista e estatista". "Por isso sugeri uma reunião dos candidatos que têm uma vocação democrática."

Os votos de oposição a Humala e Keiko estão divididos entre os três candidatos que defendem o atual modelo econômico do Peru. Essa política vem garantindo taxas de crescimento de 7%, mas não foi tão bem-sucedida no combate à desigualdade.

Humala é visto como frágil em um segundo turno, porque ajudaria a unir o segmento mais conservador do eleitorado para derrotá-lo, como ocorreu em 2006, quando perdeu para García. Por isso, ele adotou uma estratégia "paz e amor", de migração para o centro.

À Folha, Toledo disse que não se pode acreditar na guinada de Humala para o centro. "É um lobo em pele de cordeiro. Não tenho provas, mas não me surpreenderia um triângulo entre Venezuela, Brasil - não me refiro ao governo - e Humala", afirmou, referindo-se ao PT.

Em coletiva para jornalistas estrangeiros, Humala voltou a dizer que o Brasil é uma inspiração. "Está entre as oito maiores economias do mundo, conseguiu entrar em um processo de inclusão social, com liberdade de expressão e equilíbrio fiscal. O Brasil é modelo de sucesso."

"E a saída natural do Brasil para o Pacífico é o Peru. Precisamos fortalecer os projetos de interconexão entre os dois países, mas devemos ser sócios, e não economicamente dependentes do Brasil", completou o candidato.


Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Centro-direita se divide em pleito no Peru - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV