Assembleia aprova volta ao trabalho em Santo Antônio. Jirau permanece paralisada

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2011

Antes mesmo das 7 horas da manhã, horário marcado para a realização da assembléia, a fileira de ônibus já era grande diante do portão 1 da usina Santo Antônio, em Porto Velho, capital de Rondônia. Por volta das 8h, cerca de 5 mil trabalhadores se reuniram para votar a proposta selada entre a direção da Central Única dos Trabalhadores e representantes da Odebrecht, no último dia 31, em Brasília.

A reportagem é de Luiz Carvalho e publicada pelo portal da CUT, 04-04-2011.

Secretário de Administração e Finanças da CUT e dirigente destacado pela entidade para mediar os conflitos no estado, Vagner Freitas, iniciou sua participação citando a regra essencial do encontro. "Vou repetir a máxima que digo desde a primeira vez que estive aqui: vocês é que mandam, vocês são os patrões aqui."

A seguir, ao lado da direção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Rondônia (Sticcero) e de Cláudio Gomes, da Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores nas Indústrias da Construção e da Madeira Construção Civil, Madeira e Cerâmica (Conticom), ele explicou aos operários os seis pontos que compõem a pauta:

  • 5% de antecipação salarial, já no dia 1º. de abril – na data-base (1º. de maio), será negociado o restante do percentual que corrigirá os salários e valerá até o ano que vem;
  • aumento de R$ 110 para R$ 132 no valor da cesta básica; o restante a ser pago também será definido na negociação com os empresário durante a campanha salarial;
  • licença de cinco dias a cada três meses trabalhados, com direito a passagem de avião até as capitais; aqueles que necessitarem utilizar ônibus até a cidade de origem terão as passagens reembolsadas;
  • atualmente, para fazer compras, os trabalhadores pagam um ágio aos comerciantes;
  • opção de mais de um plano de saúde, com cobertura nacional, para o trabalhadores escolherem.

Chamados a votar, a maioria dos trabalhadores do turno da manhã optaram pelo fim da greve, que se estendia desde o dia 25 de março. Diante da decisão, os operários retomaram as atividades imediatamente.

"Iniciamos agora um estado de greve e daremos continuidade à campanha salarial que tem data-base em 1º. de maio. Caso o patrão não responda às reivindicações que apontarmos, iremos cruzar os braços novamente", disse Raimundo Soares da Costa, o Toco, presidente do Sticcero.

Duas outras assembléias ocorrem às 19h e às 22h para dialogar com os trabalhadores do turno da noite. Caso as propostas sejam aprovadas, a usina voltará ao pleno funiconamento.

Encontro com o governador

Ainda no período da manhã, o secretário representou a CUT em um encontro com os parlamentares da comissão de Meio-Ambiente, Fiscalização e Controle, do Senado, com o governador de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB), e com o prefeito de Porto Velho, Roberto Eduardo Sobinho.

No dia anterior, o grupo já havia se reunido com representantes dos trabalhadores envolvidos nas obras do complexo hildrelétrido do Rio Madeira e visitado a usina de Santo Antônio. Na tarde desta segunda (4) será a vez de Jirau.

"Eles solicitaram que fizesse um relato de todo o processo de negociação que a CUT construiu e aproveitamos para apontar os problemas de condição de trabalho. Destacamos que em Jirau não há greve, a usina está fechada por solicitação da Justiça, que em Santo Antônio é uma questão salarial e apontamos o encaminhamento da assembleia de hoje. Falamos ainda que em Jirau são necessárias condições mínimas de trabalho, já que a destruição é grande e o Ministério do Trabalho e o Ministério Público só devem liberar a hidrelétrica se houver estrutura para isso."

Vagner Freitas acrescenta que a precipitação pode causar novo retrocesso. "Corremos o risco de ver os trabalhadores paralisem as atividades após o retorno." Para ele, é necessário ainda haver uma compensação salarial, no mínimo, em patamar semelhante àquela que foi aprovada hoje em Santo Antônio, .

Negociação com Camargo Correa

No final da tarde desta terça-feira, CUT, Conticom e Sticcero se reúnem novamente com a empreiteira responsável pela construção de Jirau para discutir um acordo a ser levado aos operários.

Em conversa na última sexta-feira (1), a empresa deu sinal de que deve aceitar um conjunto de reivindicações semelhante ao aprovado nesta manhã em Santo Antônio.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Assembleia aprova volta ao trabalho em Santo Antônio. Jirau permanece paralisada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV