"Precisamos entender melhor o acidente no Japão", diz cientista

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é retratado como criminoso de guerra em vídeo sobre Amazônia

    LER MAIS
  • É desumano continuar a morrer sozinhos. E não digam que não poderia ter sido feito de outra forma

    LER MAIS
  • A vacina não é um bem comum

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Março 2011

Ainda é cedo para afirmar que a produção de energia nuclear esteja na berlinda.

Para Anthony Pietrangelo, vice-presidente do NEI (Instituto de Energia Nuclear dos EUA, na sigla em inglês), o acidente nas usinas atômicas de Fukushima (nordeste do Japão) foi causado, sobretudo, por "uma força extraordinária da natureza".

Mesmo assim, para o especialista, que trabalha há 30 anos com energia nuclear, o mundo todo deve tirar lições do acidente para melhorar a segurança das usinas.

"Quando entendermos o que rodeia o acidente no Japão, vamos trabalhar para que a produção de energia nuclear seja mais segura", declarou Pietrangelo.

A entrevista é de Sandra Righetti e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 25-03-2011.

 Eis a entrevista.

A usina de Fukushima estava preparada para terremotos, mas não aguentou um tsunami. Isso foi uma falha de projeto?

O acidente de Fukushima foi causado, em parte, por uma força extraordinária da natureza, que certamente estava fora dos parâmetros da planta da usina.

Mas o acidente foi grave e pode mudar o que se pensa sobre energia nuclear...

Até conseguirmos entender exatamente o que aconteceu em Fukushima e suas reais consequências, é difícil especular sobre o impacto do acidente na produção de energia nuclear - e, no meu caso, sobre o programa nuclear dos EUA.

A indústria nuclear norte-americana, a Comissão Nuclear Regulatória dos EUA, o Instituto de Energia Nuclear e outras organizações norte-americanas e de todo o mundo irão produzir relatórios sobre o acidente, identificar lições a serem aprendidas [em termos da planta de operações da usina, por exemplo] e irão incorporar essas lições nas operações das usinas nucleares.

Quando entendermos completamente os fatos que rodeiam o acidente no Japão, vamos trabalhar para que a produção de energia nuclear seja ainda mais segura.

O armazenamento de combustíveis usados no mesmo prédio do reator [dentro da mesma estrutura], como acontece nos reatores de Fukushima, é seguro?

A usina de Fukushima tem um projeto seguro, incluindo o armazenamento de combustíveis usados.

Mas esse projeto recebeu críticas. O governo japonês também tem sido acusado de não ser transparente na divulgação de informações sobre o acidente em Fukushima...

Não temos como opinar sobre isso. Estamos preocupados com o que está acontecendo no Japão e oferecemos recursos e especialistas da nossa indústria, tanto para ajuda técnica quanto humanitária, para que a segurança na usina seja retomada.

Temos especialistas para lidar com esse tipo de acidente inédito no mundo?

Reatores nucleares dos EUA são projetados para resistir a sismos iguais aos do Japão [9,0 na escala Richter] ou mesmo a fenômenos mais significativos, como terremotos e tsunamis associados. Isso sem nenhuma violação dos sistemas de segurança -e nem na piscina [que resfria o combustível].

Mas as lições aprendidas com Fukushima devem ser revistas cuidadosamente, para verificarmos se alguma delas se aplica às centrais nucleares dos EUA.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Precisamos entender melhor o acidente no Japão", diz cientista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV