"Decisão do governo é um desrespeito à luta da Via Campesina"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Março 2011

"O anúncio de que o governo brasileiro irá facilitar a plantação de milho transgênico próximo a parques florestais é um profundo desrespeito a luta do movimento social brasileiro, particularmente da Via Campesina que teve um de seus militantes, Valmir Mota, o "Keno’, assassinado por milícias a serviço da Syngenta Seeds que mantinha um campo experimental de transgênicos próxima ao Parque Nacional do Iguaçu no oeste do Estado do Paraná".  O comentário é de Cesar Sanson, pesquisador do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT, 07-03-2011.

Eis o artigo.

A realização de experimentos e plantação de transgênicos próximo a parques florestais estão por detrás de um dos maiores conflitos agrários da história brasileira recente. Em março de 2006, militantes da Via Campesina ocuparam a estação experimental da empresa suíça Syngenta Seeds que mantinha um campo experimental, com área de 127 hectares, na cidade de Santa Teresa do Oeste, a 6 km do Parque Nacional do Iguaçu (PR).

A empresa, desrespeitando a legislação ambiental e o Plano de Manejo do Parque cometia uma série de crimes ambientais, realizando experimentos com soja e milho geneticamente modificados. A ocupação do Campo Experimental da Syngenta aconteceu durante a realização da Convenção de Biodiversidade Biológica (COP/MOP) que se realizou no Brasil.

As 70 famílias que ocuparam a área permaneceram na mesma até novembro de 2006, quando o Estado do Paraná cumpriu a liminar de reintegração de posse expedida pela Justiça Estadual de Cascavel. Posteriormente, as famílias retornaram ao local depois que a área foi desapropriada pelo Governo do Estado para a criação de um Centro de Agroecologia.

Após 16 meses de resistência, no dia 18 de julho de 2007, cumprindo ordem judicial, as famílias se deslocaram para o assentamento Olga Benário, também em Santa Tereza do Oeste. Em outubro de 2007, cerca de 200 trabalhadores da Via Campesina reocuparam a Fazenda Experimental após rumores de que a Syngenta retomaria os experimentos ilegais, o que exporia as lavouras convencionais próximas ao Parque ao perigo da contaminação por transgênicos.

Horas depois da reocupação, mais de 30 homens fortemente armados e vestidos com uniforme da empresa "NF Segurança" invadiram a área e dispararam contra os trabalhadores. Após balearem Valmir Mota, o "Keno", com um tiro na perna, o executaram a queima roupa com um tiro no peito. A milícia tentou ainda executar a trabalhadora Isabel do Nascimento de Souza com um tiro na cabeça, o que resultou na perda de um de seus olhos e da mobilidade da parte esquerda do corpo. Outros três trabalhadores saíram feridos e um segurança foi morto por integrantes da própria milícia que atiravam desordenadamente, conforme indicou a polícia.

A "NF Segurança" atuava de forma irregular naquela região, articulada com a Sociedade Rural do Oeste (SRO) e o Movimento dos Produtores Rurais (MPR), representantes dos latifundiários locais.

Essa decisão, agora anunciada, pelo governo brasileiro de que irá facilitar a plantação de milho transgênico próximo a parques florestais é um profundo desrepeito à luta do movimento social brasileiro, particularmente da Via Campesina. Ainda mais grave: a imprensa dá conta que a liberação atende a um pedido do deputado ruralista Moacir Micheletto (PMDB-PR). Esse mesmo deputado já foi "agraciado" com o prêmio motossera de ouro pelo Greenpeace por suas reiteradas iniciativas de flexibilizar a legislação brasileira de preservação ambiental.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Decisão do governo é um desrespeito à luta da Via Campesina" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV