Réu é condenado a 432 anos por mortes no Urso Branco

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS
  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2011

José Raimundo Tavares da Costa (Zé Galinha) foi condenado a 432 anos pelo envolvimento nas 27 mortes ocorridas no interior do presídio Urso Branco, em Porto Velho.  A sentença foi lida pelo juiz Aldemir de Oliveira, titular do 2º Tribunal do Júri, por volta das 17h20 desta segunda-feira, 21.  A pena-base foi fixada em 16 anos, que multiplicados pelo número de vítimas, resultaram em mais de 400 anos de pena.

A informação é do sítio Rondôniagora.com, 22-02-2011.

O conselho de sentença, formado por sete jurados, decidiu que estava comprovado que as vítimas foram golpeadas por facas artesanais dentro do presídio em janeiro de 2002, após uma tentativa de fuga frustrada. Também disseram sim à indagação sobre se esses golpes foram a causa das mortes.  Com a resposta ao terceiro e decisivo quesito, sobre a autoria, afastou-se a tese de defesa e Zé Galinha foi considerado culpado por participação nas mortes.  Por fim, o emprego de meio cruel também foi reconhecido pelos jurados, pois além de torturados, os presos foram golpeados em regiões não vitais, com o intuito de causar ainda mais sofrimento.

Ainda cabe recurso à decisão. Como Zé Galinha está foragido, a sentença é também o mandado de prisão ao réu, que fugiu do presídio de Nova Mamoré antes da realização do júri.  Ele foi defendido por Magnum de Oliveira, da Defensoria Pública; e a acusação feita pelos promotores de Justiça Leandro Gandolfo e Marcelo Guidio.

Veja os próximos julgamentos

- Dia 23: Rogélio Pinheiro Lucena (adv: Josenilton Lino Barreto);

- Dia 24: Edilson Pereira da Costa (adv: advogado: Gillvane Veloso Marinho);

- Dia 25: Weber Jordano Silva (adv: Antônio Francelino dos Santos).

Histórico

No ano passado, foram 19 réus levados a júri popular, dos quais, 16 condenados a penas, que somadas, passam de 6 mil anos de prisão. Três dos acusados foram absolvidos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Réu é condenado a 432 anos por mortes no Urso Branco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV