Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Há celibato e celibato. Um teólogo explica a inquietude da Igreja

Continua levando a discussões o apelo dos mais de 150 teólogos alemães, austríacos e suíços que em resposta à "crise" da Igreja católica na Europa (crise de vocações e de fiéis) propõem uma reforma da Igreja que prevê, entre seus objetivos, a revisão do celibato eclesiástico. Na Itália um especialista do tema é o docente de Moral na Faculdade teológica da Itália central (Florença), Basílio Petrà.

A entrevista é de Paolo Rodari e publicada pelo jornal Il Foglio, 10-02-2011. A tradução é de Benno Dischinger.

"No memorandum dos teólogos nunca é usada a palavra celibato. Falam das dificuldades nas paróquias devido à relação sempre mais desproporcionada entre o número de fiéis e o de sacerdotes. Assim dizem que "a Igreja também necessita de padres casados e de mulheres no ministério eclesial". A frase, dita desse modo, pode significar muitas coisas. Como sabemos, a Igreja católica é uma comunhão de igrejas. Há muitas igrejas católicas de rito oriental onde homens desposados são ordenados padres; na própria igreja católica de rito latino se tem sacerdotes desposados: trata-se, neste caso, de ministros desposados de confissões não católicas que foram ordenados no momento de sua conversão ao catolicismo. No que se refere ao ministério feminino, é amplamente aceita a tese que se possa chegar, como era nas comunidades antigas, à ordenação das mulheres ao diaconato. São realidades já existentes ou possíveis. Se, pois, os teólogos de língua alemã se referem à ampliação ou à atuação destas realidades, não dizem coisas escandalosas".

"Se, ao invés, entendem algo diverso, ou seja, que os padres celibatários possam casar-se e que as mulheres sejam ordenadas padres, então propõem uma práxis que hoje não existe em nenhuma igreja da comunhão católica e nem sequer nas igrejas ortodoxas.".

Existem em Roma pressões contrárias a uma rediscussão do celibato?

Muitos pensam que o celibato seja uma espécie de "conditio sine qua non’ da Igreja católica de rito latino. Isso leva a medidas estranhas. Se chega à Itália um sacerdote ortodoxo para servir os próprios fiéis emigrados, ele é ajudado. Se, ao invés, chega um padre greco-católico casado, não só não se lhe permite ser inserido no Instituto de sustentação do clero, mas se chega ao ponto de a Cúria não lhe dar a permissão de exercer seu ministério.

Quando se tornou lei o celibato?

É uma imposição que começa a estruturar-se no século XI, embora só se realize de modo pleno com o Concílio de Trento. Os defensores do celibato recordam que precedentemente existia a Lex continentiae, segundo a qual, quando homens casados eram ordenados, eram obrigados a assumir o empenho de interromper toda relação sexual com as próprias consortes. Tem-se provas desta práxis em diversas partes do Ocidente (e em alguma do Oriente), pelo menos do século IV.  No início não se exigia a separação das mulheres; depois, a separação foi sempre mais requerida. Com a reforma do século XI é atacado o clero casado porque não respeitava a separação e a continência e se vem introduzindo a lei do celibato.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium