O Planalto, seus caciques e a hidrelétrica

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Rio Grande do Norte. Seridó ameaçado

    LER MAIS
  • Arcebispo de Ribeirão Preto visita no hospital a Dom Pedro Casaldáliga, “um ícone no Brasil”

    LER MAIS
  • Francisco nomeia seis mulheres para grupo que supervisiona as finanças vaticanas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Fevereiro 2011

"O dedo de Raoni esteve por longos minutos no nariz de Sotilli", comenta Leonardo Sakamoto, jornalista, em seu blog, 09-02-2011, sobre a audiência entre caciques e lideranças ribeirinhas com os representantes do governo Federal – na pauta a construção de Belo Monte.

Eis o comentário.

Representantes do Palácio do Planalto receberam, nesta terça (8), manifestantes contrários à construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Estado do Pará. Trago um breve relato de como foi a audiência feito por pessoas que dela participaram. Vale pela curiosidade.

O secretário executivo da Secretaria Geral da Presidência, Rogério Sotilli, representou o governo em nome do titular da pasta, Gilberto Carvalho, que está no Fórum Social Mundial no Senegal. Ao todo, oito caciques e lideranças ribeirinhas da Bacia do Xingu levaram as 604.317 mil adesões de um abaixo-assinado contra Belo Monte, além de um documento com oito páginas de denúncia sobre os impactos sociais e ambientais trazidos pela obra e demandas por participação nas decisões da política energética nacional.

Raoni Metuktire fez um longo discurso em kayapó sobre o fato do governo mexer com o que não conhece e derrubar matas para depois ficar refém de ventos e chuvas que tudo inundam e com tudo acabam. O dedo de Raoni esteve por longos minutos no nariz de Sotilli.

"Fico triste em ouvir críticas aos governos Lula e Dilma", disse Sottili. "Lula prometeu que não enfiaria Belo Monte goela abaixo das populações do Xingu. Sempre ouvi dizer que houve muito diálogo. Talvez, com o que vocês dizem agora, não foi tanto assim…" – ponderou. Prometeu que, a partir de agora, estarão garantidos os diálogos.

Mas depois adiantou o que esperar das conversas: "Dilma fará o que tem que ser feito" E: "Dilma tem que pensar o Brasil como um todo, atender todos os interesses, incluir toda a nação…" E mais ainda: "Garanto que vamos dialogar, mas claro, podemos não chegar a um consenso".

Enquanto Sotilli prometia às populações do Xingu que o governo dialogaria, e que um relato fidedigno da audiência, mais documentos e assinaturas contra Belo Monte, seriam levados à presidenta pessoalmente, nos calabouços governamentais o ministro Edson Lobão (Minas e Energia) e o presidente da Empresa de Pesquisa Energética Maurício Tolmasquim afirmavam que, já na semana que vem, as máquinas estariam no Xingu para derrubar floresta e construir o canteiro de obra – cuja licença, expedida pelo Ibama, é contestada pelo Ministério Público Federal na Justiça. Apesar das promessas dos tão famosos diálogos.

Pouco depois, lá fora, no concreto da praça dos Três Poderes, debaixo de um sol de rachar, caciques e lideranças ribeirinhas prestaram contas aos manifestantes reunidos com faixas e cartazes. Algo do tipo: o povo do governo explicou que dialogar significa que a gente tem o direito de falar, eles vão ouvir mas, no final, a gente vai ter que sair das nossas terras de qualquer jeito.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Planalto, seus caciques e a hidrelétrica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV