BNDES está na origem de nova gigante em lácteos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal: a primeira pergunta que Deus faz não é sobre orientação sexual, mas sobre o cuidado com os pobres

    LER MAIS
  • Cardeal espanhol: ‘O comunismo marxista … renasceu’ no país

    LER MAIS
  • O silêncio dos teólogos. Custódia da comunhão e medo cúmplice

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Janeiro 2011

Com o apoio do BNDES, as fabricantes de leite e derivados Bom Gosto e LeitBom anunciaram fusão de suas operações. Será criada uma nova empresa, a LBR Lácteos Brasil SA, que já nasce como uma das maiores do setor, ao lado das gigantes Nestlé e BRF-Brasil Foods.

A reportagem é de Tatiana Freitas e publicada pela Folha de S.Paulo, 23-12-2010.

Dona de marcas como Parmalat, Paulista, Poços de Caldas, Líder e Glória, a LBR tem faturamento inicial estimado pelas empresas em R$ 3 bilhões por ano. A LBR começa com a captação de 2 bilhões de litros de leite anuais - o volume captado pela Brasil Foods, antiga Perdigão, é estimado em 1,7 bilhão de litros e o da Nestlé, em 2,1 bilhões de litros. As operações da nova empresa dividem-se em 30 unidades de produção, com 6.400 funcionários.

A LBR também estreia com o apoio do BNDES, que já detinha participação de 30% no capital da Bom Gosto. O banco de fomento manterá a fatia na nova empresa e, para isso, fará um aporte de R$ 700 milhões na LBR. Do total, R$ 450 milhões serão injetados via aumento de capital, e outros R$ 250 milhões devem entrar no caixa da empresa após uma subscrição privada de debêntures conversíveis em ações.

A LeitBom é controlada pela Monticiano, holding do grupo GP Investimentos. Este ano, fez um acordo com a Laep Investments para operar a maioria dos ativos da Parmalat no país  - os isentos de passivos trabalhistas- e passou a deter o direito de uso da marca por seis anos.Na ocasião, a LeitBom apresentou-se como candidata à consolidadora do setor e já especulava-se sobre uma associação com a Bom Gosto.

O presidente da LeitBom, Fernando Falco, que ocupará a presidência da LBR, minimizou o salto em captação de leite da companhia. Ele comemorou o melhor posicionamento de mercado, mas destacou o desenvolvimento do setor, muito pulverizado e pouco competitivo. "Essa fusão traz uma posição clara de organização de mercado. Queremos desenvolver a cadeia, para que o Brasil tenha condições de competir no exterior", disse.

O fundador e presidente da Bom Gosto, Wilson Zanatta, será copresidente do Conselho de Administração da LBR, ao lado de Fersen Lambranho, da GP. Por meio da Monticiano, o grupo GP será o acionista majoritário da LBR, com uma participação de 40,5%. O BNDES terá 30,3% do capital e a Bom Gosto, 26,3%.

Por dentro da LBR Lácteos Brasil

Faturamento
R$ 3 bilhões

Captação de leite
2 bilhões de litros/ano

Funcionários
6.400

Unidades
30

Fornecedores
56 mil regulares

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

BNDES está na origem de nova gigante em lácteos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV