“Há uma guerra mundial para destruir o matrimônio”, diz Francisco na Geórgia

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Outubro 2016

O Papa Francisco criticou duramente as atitudes modernas para com o matrimônio durante uma série de comentários de improviso que proferiu a católicos da Geórgia neste sábado de tarde, a certa altura declarando: “Hoje há uma guerra mundial para destruir o matrimônio”.

Na presença de padres, seminaristas, religiosos/as e leigos/as da minúscula população católica do país, o pontífice falou por mais de 45 minutos e enfatizou muitos dos mesmos pontos que já levantara em seus 3 anos e meio de papado.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada por National Catholic Reporter, 01-01-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O papa foi particularmente incisivo, no entanto, ao falar do matrimônio, chamando-o de “a coisa mais bonita que Deus criou”. Disse a Bíblia descreve um homem e uma mulher em matrimônio juntos como a própria imagem de Deus.

“Vocês sabem quem paga o preço do divórcio?”, perguntou Francisco em alto e bom tom à multidão presente na Igreja da Assunção, em Tbilisi.

“A ambos, e mais: Deus paga porque, quando se divorcia (...), você suja a imagem de Deus”.

Em seguida, o pontífice descreveu uma “guerra mundial” contra o matrimônio, dizendo que ela ocorre através de um processo chamado de “colonização ideológica”.

“Hoje você não destrói [o matrimônio] com armas, mas sim com ideias”, disse. “É a colonização ideológica que o destrói”.

O papa estava respondendo aqui a alguns testemunhos dados durante o encontro por quatro católicos georgianos: um padre, um seminarista, uma mãe e um jovem.

A mãe, chamada Irina, mencionou alguns problemas que as famílias enfrentam na Geórgia, incluindo o divórcio e as “novas visões de sexualidade, como a teoria de gênero e a marginalização da visão de vida cristã”.

A mãe também agradeceu a Francisco pela sua recente exortação apostólica sobre a família, intitulada Amoris Laetitia.

Ao mesmo tempo em que o papa teceu duras críticas ao divórcio, ele igualmente disse entender que existem algumas situações onde fica impossível que os cônjuges que passam por dificuldades matrimoniais se reconciliem. Disse que a Igreja deve fazer quatro coisas a pessoas em situações assim: acolhê-las, acompanhá-las, promover o discernimento e integrá-las na comunidade.

Francisco também criticou a teoria de gênero, considerando-a “uma grande inimiga” do matrimônio.

A comunidade católica na Geórgia compreende apenas cerca de 2% da população de 3,7 milhões do país. A maior parte da população, aproximadamente 83%, se identifica como ortodoxo georgiano.

Leia também...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Há uma guerra mundial para destruir o matrimônio”, diz Francisco na Geórgia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV