Vaticanista nega rumores de renúncia do Papa Francisco

Papa Francisco na audiência geral | Foto: Santa Sé

30 Agosto 2021

 

Autor de vários livros sobre o Papa e seus predecessores, o especialista falou dos planos do líder da Igreja Católica.

 

A reportagem é de Elena Llorente, publicada por Página/12, 28-08-2021.

 

Rumores e mais rumores na Itália e no Vaticano sobre o Papa Francisco, foram adicionados criando incertezas para um verão super quente, com um aumento na disseminação da cobiça, com incêndios e inundações em todo o mundo e vários países à beira do abismo — embora por razões diferentes — como o Haiti e o Afeganistão. Segundo esses rumores, nunca confirmados, o Papa Francisco estaria pensando seriamente em renunciar, o que para vários analistas, como o vaticanista Marco Politi entrevistado por Página/12, parece bastante improvável porque Francisco programou não apenas várias viagens (a Budapeste e Eslováquia, em setembro), mas um projeto importante que deseja realizar: um sínodo dos bispos sobre o futuro da Igreja na pós-pandemia, que começará em outubro e terá duração de dois anos.

 

Jornalista e escritor, Marco Politi é um especialista do Vaticano. Ele publicou vários livros sobre os últimos papas. O último, “Francesco. Peste. La rinascita” (“Francisco. A peste. O renascimento”, Ed. La Terza), já traduzido para o francês e o alemão, é dedicado ao papel do Papa Francisco na cobiçosa epidemia. “Francisco é a única voz internacional que levantou o problema da reconstrução da sociedade após a pandemia. Mas uma sociedade inclusiva, sem degradação natural, na qual as pessoas não sejam deixadas para trás e não haja aqueles enormes abismos entre os poucos super-ricos e as centenas de milhões de pobres”, explicou Politi.

 

Outros de seus livros são “Josep Ratzinger, crisis di un papato” (“Josep Ratzinger crise de um papado”, 2011), “Papa Wojtila. L'addio” (“Papa Wojtila. Adeus”, 2007), “La solitudine di Francesco” (“A solidão de Francisco”, 2019) e “Francesco tra i lupi” (“Francisco entre os lobos”, 2014).

 

Eis a entrevista.

 

Um artigo do jornal italiano "Libero" (centro-direita) dizia que o Papa Francisco, por causa da doença pela qual foi operado em julho ou por causa da idade (faz 85 anos em dezembro), estaria pensando seriamente em desistir do papado. Esta afirmação tem algum fundamento para você?

Neste momento não temos elementos, nem oficiais nem não oficiais, para dizer que a saúde do Papa se deteriorou. Você certamente passou por uma grande operação e precisa se cuidar. Certamente não foi possível aos jornalistas dar uma entrevista coletiva diretamente com os médicos que o trataram. Mas, neste momento, o Papa se vê como uma pessoa idosa, mas sem problemas específicos.

 

Neste momento não temos elementos, nem oficiais nem não oficiais, para dizer que a saúde do Papa se deteriorou - Marco Politi

 

Artigos de outros jornais chegaram a dizer que no Vaticano se fala em um novo conclave para a eleição de um pontífice e candidatos. Na sua opinião, é mesmo? Algo semelhante aconteceu com outros pontífices?

Não, neste momento não se fala no Vaticano sobre a renúncia do Papa. Mas certamente quando os papas atingem uma idade avançada, em várias partes do mundo eles começam a refletir sobre o que acontecerá a seguir. E se perguntar que tipo de Papa deveria ser o sucessor. Mas isso é absolutamente normal. Aconteceu nos tempos de João Paulo II e Paulo VI.

 

Manobras

 

Todos os boatos que circulam, se não têm fundamento sério, poderiam ser inventados pelos opositores do Papa Francisco para diminuir sua credibilidade?

Certamente começar a falar sobre a renúncia do Papa é seguramente uma manobra dos círculos mais conservadores que gostariam que este Papa terminasse seu pontificado o mais rápido possível. Essas manobras são denunciadas há dois anos, entre outras pelo cardeal alemão Walter Kasper e pelo superior-geral da Companhia de Jesus, o venezuelano Arturo Sosa Abascal. O padre Sosa disse que há uma luta política dentro da Igreja e o cardeal Kasper indicou que existem pessoas de quem este Papa não gosta e gostaria que ele partisse o mais rapidamente possível. É nesse clima que se lançam esses rumores sobre a renúncia de Francisco.

 

Mas poderia ser verdade que o Papa Francisco estava pensando em renunciar por causa de todas as polêmicas existentes na Igreja?

No início de seu pontificado, o Papa declarou na televisão mexicana que poderia ficar no papado por quatro ou cinco anos e então renunciaria. Mas essa ideia inicial deu em nada porque todas as forças reformadoras da Igreja insistentemente lhe pediram para ficar o maior tempo possível. O Papa renunciará apenas se de repente suas condições de saúde não o permitirem seguir em frente, para continuar cuidando pessoalmente da máquina do Vaticano. Mas o Francisco tem um projeto muito importante que quer concluir pessoalmente. Ele decidiu recentemente que o sínodo dos bispos, que começará em outubro, não durará apenas um mês, como de costume, mas deve durar dois anos. Será um sínodo sobre um tema muito importante: a missão da Igreja e a participação dentro da Igreja na pós-pandemia.

 

Certamente começar a falar sobre a renúncia do Papa é seguramente uma manobra dos círculos mais conservadores que gostariam que este Papa terminasse seu pontificado o mais rápido possível - Marco Politi

 

O Papa disse que este sínodo deve começar em Roma e durante 2022 será discutido em todas as dioceses do mundo, e terminará em 2023. E ele quer cuidar pessoalmente deste projeto. O sínodo será muito importante para a vida da Igreja no século XXI.

 

Leia mais

 

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV