Papa Francisco demissionário? Após a doença, abriu-se o pré-conclave, mas nada sugere uma despedida

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Agosto 2021

 

O Papa demissionário? Segundo Libero, Francisco estaria pensando na renúncia tanto pela idade, já que fará 85 anos no próximo dia 17, quanto por problemas de saúde, como a operação de cólon que fez no dia 4 de julho. O autor do artigo é Antonio Socci, desde sempre um ferrenho crítico de Bergoglio a ponto de afirmar, de forma totalmente infundada, que sua eleição é "nula e inválida". A respeito da idade de Francisco, o jornalista lembra que Bento XVI renunciou justamente aos 85 anos. Mas também poderia ser lembrado que São João Paulo II morreu no limiar dessa mesma idade.

A reportagem é de Francisco Antonio Grana, publicada por Il Fatto Quotidiano, 23-08-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

No Vaticano e em particular na Casa Santa Marta, a residência de Bergoglio, nada sugere que o Papa esteja pensando seriamente em sua renúncia. Pelo contrário. Francisco retomou recentemente as audiências privadas e confirmou a longa e exigente viagem, de 12 a 15 de setembro próximo, a Budapeste para o encerramento do Congresso Eucarístico Internacional e à Eslováquia para uma visita pastoral. O programa da viagem, repleto de encontros e deslocamentos, decidido antes da entrada na Policlínica Gemelli para a cirurgia de cólon, não foi modificado em nada, mesmo após a internação de dez dias. Sinal eloquente de que o Papa, inclusive confortado pela opinião de seus médicos, se sente confiante e determinado a enfrentar a viagem.

Bem como as viagens que ainda estão em estudo, embora nenhuma outra ainda tenha sido oficialmente confirmada pelo Vaticano para 2021, nem para 2022. O que transparece da equipe de Francisco é que o Pontífice, após a longa convalescença após a operação, planejada há tempo, mas não informada nem mesmo aos colaboradores mais próximos, retomou o trabalho nos meses de verão com seu ritmo habitual. Bergoglio também recebeu, fora dos holofotes, numerosos amigos que o visitaram nas últimas semanas na Casa Santa Marta.

É preciso dizer que, antes mesmo da intervenção no cólon, a história do cardeal arcebispo de Munique e Freising, diocese chefiada por Joseph Ratzinger, Reinhard Marx, já havia aberto os jogos do pré-conclave. O cardeal alemão, um dos homens do restrito Conselho de cardeais que elaborou a reforma da Cúria Romana, renunciou acusando a Igreja de ter fracassado na luta contra a pedofilia do clero. Um ataque muito duro que pela primeira vez não partiu de inimigos, mas de um dos colaboradores mais próximos do Papa que compartilhou, desde o aparecimento a fumaça branca, o governo da Igreja, em particular nas questões econômicas.

Francisco rejeitou imediatamente a renúncia do cardeal, mas esse descontentamento entre os chamados cardeais bergoglianos abriu uma reflexão séria, mais ou menos pública, sobre as reformas do pontificado. É evidente também que a operação sofrida pelo Papa inaugurou de fato a segunda parte do reinado de Francisco com a entrada do tema da doença e, portanto, da saúde do Pontífice. Tema que marcou o longo pontificado de Wojtyla, mas do qual o de Bergoglio, pelo menos até ser internado no Gemelli, parecia irrelevante. Portanto, é inegável que o pré-conclave esteja aberto, pelo menos nos últimos meses, mas isso não significa que o reinado de Francisco esteja no fim. O pré-conclave de Wojtyla durou uma década antes que, com a morte do Papa polonês, a Sé Vacante fosse realmente aberta. E é preciso dizer que naquela década muitos candidatos elegíveis morreram antes do Pontífice.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco demissionário? Após a doença, abriu-se o pré-conclave, mas nada sugere uma despedida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV