“A Conferência Eclesial da Amazônia é uma resposta concreta à luz da revelação de Deus a uma realidade ferida”, afirma Mauricio López

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Julho 2020

Pensar na Amazônia nos leva ao mundo das águas, dos rios, uma imagem recorrente para Maurício López quando ele pensa no processo de nascimento da Conferência Eclesial da Amazônia. O secretário executivo da Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM, afirma diante deste novo nascimento que "só consigo pensar na imagem dos rios, na convergência de diferentes afluentes, que começam com pequenas correntes de água que percorrem longas distâncias, dando vida, e a vida vai se expandindo em sua expressão cada vez mais poderosa, até dar lugar aos grandes rios”.

A reportagem é de Luis Miguel Modino.

Estamos diante de um caminho que, segundo Mauricio "resulta definitivamente da revelação do Espírito Santo, a ruah, através do Concílio Vaticano II, o Magistério da Igreja na América Latina", algo que se materializou na Amazônia nas vidas de tantos mártires, de membros da Igreja encarnados no meio da realidade, amando-a, sofrendo também com as dores de seus povos e território”. São pessoas que se encarnaram, que se tornaram "parte dela, abraçando-a com suas luzes e sombras, pouco a pouco, até nos conduzirem, assim como afluentes de água, à conexão com a REPAM".

Oficialmente nascida há seis anos, mas tecida há quase dez anos, a REPAM vem se formando “pouco a pouco, das vozes da vida e da dimensão territorial da Igreja no minúsculo Equador, e, assim, aos poucos, andando, avançando”, afirma quem sabe o suficiente sobre como tecer essas redes amazônicas. Nesta caminhada da REPAM, o Sínodo da Amazônia "foi um impulso de vida na mudança de perspectiva, onde a periferia se torna o centro, sem pretender tomar o lugar do centro". Segundo o auditor sinodal, trata-se de "iluminá-lo enquanto permanece periférico, querendo acompanhar o centro para olhar com outros olhos e abrir possibilidades para o novo".

Tudo isso forma um caminho sinodal que começou "a partir da escuta territorial múltipla e mais diversa", que teve continuidade na "preparação de documentos, honrando as vozes dos povos e comunidades da Igreja na Amazônia, do discernimento do Sínodo, que produziu um documento final com mais de 150 propostas concretas, que não podemos deixar de ser mantidas, e depois com a exortação apostólica do Papa Querida Amazônia, com seus quatro sonhos, o sonho social, o sonho cultural, o sonho ecológico e sonho eclesial ”.

Nesta dinâmica, "a Conferência Eclesial da Amazônia só pode ser entendida como resultado desse processo, como um acúmulo de vida, mas também como uma resposta concreta à luz da revelação de Deus a uma realidade que é ferida, afetada", insiste Mauricio López, que nesta situação destaca que "os povos e as comunidades estão sofrendo de várias maneiras situações de injustiça", o que tem como consequência que "o projeto do Reino e o sonho de Deus para que eles tenham vida e vida em abundância, ele fique longe ou esteja ameaçado”. Mas na Amazônia também existem lugares "onde a beleza da diversidade cultural é vivida plenamente, o mistério da presença de Deus como semente da Palavra, um Cristo também encarnado nessa diversidade e que cada vez mais sente que seu futuro está ameaçado”.

Esta conferência eclesial é vista pelo secretário executivo da REPAM como "caminhos acumulados, possibilidades, vidas, encontros, desacordos", algo que tem buscado "o que Deus queria nos dizer, não nos últimos anos, mas em décadas", procurando, afirma Mauricio, "estar mais consciente de sua voz, de sua Palavra, do que Ele está revelando para nós, e estamos nos pondo em movimento para tecer o caminho dos tecelões da Igreja, do Reino". Nesta tecelagem em rede, "estamos adicionando mais mãos, embora seja mais difícil tricotar com muitas pessoas", ele insiste, pois "é necessário tricotar juntos e juntas".

Nas palavras de Mauricio López, é mostrada uma das razões para esta Conferência Eclesial da Amazônia, que é incentivar o trabalho conjunto, uma vez que “existem muitas propostas que surgem do Sínodo Amazônico que não podem ser realizadas isoladamente pelas jurisdições eclesiástica ou pela Igreja doméstica”. Seu secretário executivo afirma que "a REPAM não pode e não deve executar tarefas que põem em risco sua identidade de rede, sua identidade como plataforma leve, de serviços específicos e de articulação". Ao mesmo tempo, Mauricio insiste que "existem muitos empreendimentos que o Espírito nos revelou que nos excedem em dimensão, em institucionalidade, o que requer uma visão de longo prazo, sustentada ao longo do tempo", algo que encontra expressão concreta na Conferência Eclesial da Amazônia.

Para que essa nova conferência avance, o secretário executivo da REPAM alerta: "peço que purifiquemos a intenção daqueles que recusam a metanoia, temos algumas posições que desejam evitar qualquer mudança, no sentido de preservar, mas também temos posições que desejam evitar qualquer mudança no sentido de defender uma visão unívoca”. Na verdade, essa situação não é algo novo, porque, como ele adverte, “vivemos isso no Sínodo, e isso não abre espaço para o Espírito Santo. A Igreja é diversa, é como a primeira carta ao Corintios, com cada parte do corpo nessa imagem de complementaridade”.

Por essas considerações, pode-se dizer que "esta conferência é um convite para o novo, para o inédito, até para avançar no que consideramos essencial ou central nos últimos anos, o caminho da REPAM, do Sínodo". Seguindo a imagem evangélica, Mauricio López sustenta que "é hora dos novos odres darem espaço para vinho novo, mantendo e cuidando de todos os outros processos que complementam e convergem". A maneira como isso será realizado será o diálogo desta Conferência Eclesial da Amazônia "com a REPAM, com a CLAR, com a Caritas, com as igrejas locais, com outras instituições, e também fará parte do CELAM, vinculada organicamente, mas com autonomia”.

Há cada vez mais elementos que deixam claro, de acordo com o secretário executivo da REPAM, "que o Sínodo está abrindo novos caminhos para nós, pedindo-nos a coragem de sair a novos caminhos, como é o caso desta conferência". Mauricio López destaca que "é uma conferência, não é uma comissão, pois tem uma grande estatura em quanto identidade orgânica, seu próprio peso, capacidade de promover processos da dimensão daquilo que o Sínodo nos deu como frutos", um detalhe que não pode ser esquecido, porque recolhe a identidade dessa novidade que está surgindo.

Também não podemos ignorar, e aí encontramos outra novidade decisiva, que "é eclesial, não é apenas uma estrutura episcopal, mas também o episcopal faz parte do eclesial", enfatiza alguém que conhece o que está atrás de todo o processo, pois faz parte de a assembléia constituinte da Conferência Eclesial da Amazônia. Nesse sentido, Mauricio López lembra da Episcopalis Conmunio, documento pontifício no qual podemos dizer que sua importância não foi percebida, pois mostra como devem ser as ações dos pastores, que são convidados a “ir às vezes na frente, às vezes atrás, às vezes no meio do povo, para reconhecer o sensus fidei do Povo de Deus, a capacidade de revelação de Deus através do modo de crer ”.

Nessa perspectiva, "está abrindo caminho para esta conferência eclesial, que abre espaço com uma condição de igualdade e também evolui em nível estrutural, orgânico e estatutário, para que haja uma participação mais ampla", enfatiza Mauricio. Na sua opinião, “o eclesial aqui se expressa com uma presença sem precedentes de três representantes dos povos originários na assembléia, das principais instituições da região e do território, como já dissemos, o CELAM, do qual faz parte a conferência, a CLAR, a Caritas, a REPAM, com representações leigas além dos povos originários, no meu caso, a secretaria executiva da REPAM, com delegados oficiais, bispos das sete conferências episcopais em território amazônico e, no caso do Brasil com dois delegados e com os órgãos promotores, que são o CELAM e a REPAM, através de suas presidências, acompanhando esse processo”.

Algo importante a destacar, e que mostra que estamos diante de um processo que está avançando, é que "tentamos abraçar e adotar a abordagem da diversidade do Sínodo da Amazônia", diz o secretário executivo da REPAM. Ele vê na Conferência Eclesial da Amazônia, “um veículo concreto no meio da pandemia, que está devastando tantas vidas, sobre todos os povos indígenas mais vulneráveis, onde muitos interesses econômicos e privados estão explorando o território mais do que nunca e ameaçando a vida de líderes e comunidades”. Diante dessa situação, "hoje, mais do que nunca, essa Igreja que prometeu ser aliada, precisa se equipar, ter veículos, ter uma canoa para navegar por essas águas, adequada às correntes dos grandes rios do grande Amazonas", que segundo Mauricio López se torna realidade nesta conferência. Com o passar do tempo, a Conferência Eclesial da Amazônia "encontrará uma maneira de se articular de várias formas e será um processo gradual, mas tenta abraçar as novidades do Sínodo da Amazônia".

Não será um processo fácil, pois estamos, na opinião de Mauricio, diante de “propostas desafiadoras, complexas e enormes, como a universidade amazônica, como avançar e desenvolver a proposta de um rito amazônico, que se baseia no diálogo com os respectivos órgãos do Vaticano”. Junto com isso, também destaca como desafios "o acompanhamento de novas experiências e novos processos em torno da ministerialidade, capacitando uma voz profética muito mais forte, de incidência, mobilizando as estruturas de toda a Igreja". Nesse sentido, comparando com o que é dito na Episcopalis Conmunio dos bispos, “a conferência eclesial às vezes irá na frente, sobre temas que só podem ser promovidos a partir dela, às vezes no meio do povo da Amazônia, do território, das expressões da Igreja, e outras vezes atrás, tentando nos encorajar a seguir adiante".

Finalmente, Mauricio López destaca que "este é um verdadeiro kairos, e como kairos significa que é o tempo propício e o tempo de Deus, não o nosso tempo cronológico, nem o nosso tempo de visões particulares, por melhores que sejam". Essa realidade exige a necessidade de "dar tempo, precisamos dar espaço para que esta conferência amadureça", uma visão que deve ser levada em conta, dada a novidade radical que esta Conferência Eclesial da Amazônia representa, uma novidade na história da Igreja, que supõe uma implementação da Igreja do Povo de Deus nascida no Concílio Vaticano II.

O secretário executivo da REPAM, insiste que "concluímos uma etapa neste momento, que é confirmar com a Igreja do território, em sua mais ampla diversidade e com a presença de instâncias da Santa Sé, uma proposta, mas que tem que ir ao Papa Francisco, nas instâncias respectivas que ele considera para sua aprovação”. Depois disso, "pouco a pouco, ela será estruturada, tentando torná-la uma verdadeira resposta de vida e esperança, em meio a uma pandemia que marca um antes e depois, um marco humanitário global", segundo Mauricio López, destacando a importância de uma conferência, "onde essa experiência, que acreditamos ser um gesto de esperança e de vida, também pode ser um símbolo para outros e para outras regiões e para outras realidades de uma verdadeira sinodalidade eclesial".

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A Conferência Eclesial da Amazônia é uma resposta concreta à luz da revelação de Deus a uma realidade ferida”, afirma Mauricio López - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV