O planeta no cheque especial: ser humano, o satã da Terra. Artigo de Leonardo Boff

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: "Ante a escandalosa corrupção e os enormes problemas sociais, o Brasil precisa que seus padres sejam sinal de esperança"

    LER MAIS
  • A era do homem endividado e a financeirização como forma contemporânea de guerra

    LER MAIS
  • “A efervescência de iniciativas que apostam na 'convivialidade' é a razão para ter esperança”. Entrevista com Edgar Morin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

13 Agosto 2017

“O que vigora no mundo é uma perversa injustiça social, cruel e desapiedada: 15% dos que vivem nas regiões opulentas do Norte dispõem de 75% dos bens e serviços naturais e de 40% da terra fértil. Alguns milhões, quais cães famélicos, devem esperar as migalhas que caem de suas bem-servidas mesas”, escreve Leonardo Boff, em artigo publicado pelo jornal O Tempo, 11-08-2017.

Eis o artigo.

Em 2 de agosto de 2017 ocorreu um fato preocupante para a humanidade e para cada um individualmente. Foi o dia da chamada “sobrecarga da Terra” (overshoot day). Quer dizer: já gastamos todos os bens e serviços naturais, básicos para sustentar a vida. Estávamos no verde e agora entramos no vermelho – ou no cheque especial. O que gastaremos daqui para a frente será violentamente arrancado da Terra para atender as indispensáveis demandas humanas e, o que é pior, manter o nível de consumo perdulário dos países ricos.

A esse fato costuma-se chamar de “pegada ecológica da Terra”. Por ela, mede-se a quantidade de terra fértil e de mar necessários para gerar os meios de vida indispensáveis: água, grãos, carnes, fibras, madeira, energia renovável e outros. Dispomos de 12 bilhões de hectares de terra fértil (florestas, pastagens, cultivos), mas, na verdade, precisaríamos de 20 bilhões.

Como cobrir esse déficit de 8 bilhões? Sugando mais e mais a Terra…Mas até quando? Estamos lentamente descapitalizando a Mãe Terra. Não sabemos quando acontecerá seu colapso, mas, a continuar com o nível de consumo e desperdício dos países opulentos, ele virá com consequências nefastas para todos.

Quando falamos de hectares de terra, não pensamos apenas no solo, mas em tudo o que ele nos permite produzir, como, por exemplo, madeiras para móveis, roupas de algodão, tinturas, princípios ativos naturais para a medicina, minerais e outros.

Na média, cada pessoa precisaria para sua sobrevivência 1,7 hectare de terra. Quase metade da humanidade (43%) está abaixo disso, como os países onde grassa a fome: Eritreia (0,4 hectare) e Bangladesh (0,7). O Brasil, acima da média mundial, tem 2,9. E 54% da população mundial está muito além de suas necessidades, como EUA (8,2 hectares); Canadá (8,2) e Luxemburgo (15,8).

Essa sobrecarga ecológica é um empréstimo que estamos tomando das gerações futuras para nosso uso e desfrute atual. Quando chegar a vez delas, em que condições vão satisfazer suas necessidades de alimento, água, fibras, grãos, carnes e madeira? Poderão herdar um planeta depauperado.

Isso faz lembrar as palavras do indígena Seattle: “Se todos os animais acabassem, o ser humano morreria de solidão de espírito, porque tudo o que acontece aos animais logo acontecerá também com o ser humano. Tudo está inter-relacionado.”

O que vigora no mundo é uma perversa injustiça social, cruel e desapiedada: 15% dos que vivem nas regiões opulentas do Norte dispõem de 75% dos bens e serviços naturais e de 40% da terra fértil. Alguns milhões, quais cães famélicos, devem esperar as migalhas que caem de suas bem-servidas mesas.

O ecoeconomista Ladislau Dowbor, da PUC-SP, em seu livro Democracia Econômica (Ed. Vozes, 2008), resume em claras palavras: “Parece bastante absurdo, mas o essencial da teoria econômica com a qual trabalhamos não considera a descapitalização do planeta. Na prática, em economia doméstica, seria como se sobrevivêssemos vendendo os móveis, a prata da casa, e achássemos que, com esse dinheiro, a vida está boa, e, portanto, estaríamos administrando bem a nossa casa. Estamos destruindo o solo, a água, a vida nos mares, a cobertura vegetal, as reservas de petróleo, a cobertura de ozônio, o próprio clima, mas o que contabilizamos é apenas a taxa de crescimento” (pág. 123).

Essa é a lógica vigente da atual economia de mercado neoliberal, irracional e suicida. Radicalizando, eu diria: o ser humano está revelando-se o satã da Terra, e não seu anjo da guarda.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O planeta no cheque especial: ser humano, o satã da Terra. Artigo de Leonardo Boff