"Homens casados, com um bom casamento, poderiam ser padres em sua comunidade". Entrevista com Alberio Riascos, missionário colombiano

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS
  • Recorde de queimadas reflete irresponsabilidade de Bolsonaro. Nota do Observatório do Clima

    LER MAIS
  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Fevereiro 2019

Os povos indígenas desfrutam a vida mais do que qualquer outro ser humano, diz o padre Alberio Riascos, missionário colombiano que trabalha no Vicariato do Puyo, no Equador. O religioso pertence à Congregação dos Missionários Xaverianos de Yarumal, ele vê aqueles com quem ele vive como pessoas que se preocupam em "desfrutar a cada momento".

Padre Alberio Riascos
Foto: Luis Miguel Modino

Ser missionário em uma comunidade indígena é, acima de tudo, "compartilhar a vida cotidiana", que na opinião do padre Alberio, "me faz sentir uma irmandade muito bonita com eles". Ao mesmo tempo, reconhece que essa presença, que é o que os povos indígenas mais pedem, não é fácil de realizar, dado o pequeno número de sacerdotes na Amazônia.

Uma das possibilidades, segundo o missionário, é que "pode ser o caso de algumas pessoas casadas, que têm um bom casamento, que podem ser padres em sua comunidade". Junto com isso, ele vê como algo necessário "que as mulheres tenham mais destaque nos ministérios", porque na verdade as mulheres têm um papel fundamental nas comunidades indígenas. Nesse sentido, o missionário afirma que as mulheres "dão o melhor de si para construir o Reino de Deus em sua comunidade".

A entrevista é de Luis Miguel Modino

Eis a entrevista. 

Como é o seu trabalho em uma comunidade indígena, o que é diferente?

Na comunidade indígena tudo é diferente, começando pelo estilo de vida das comunidades, que não tem a agitação da cidade, mas passam a viver dia a dia, pouco a pouco, sem se preocupar tanto em ter muitas coisas acumuladas, mas sim aproveitar cada momento, cada espaço e cada coisa que eles têm na vida. Eles aproveitam a vida mais do que qualquer outro ser humano. Então, o trabalho fica bonito porque é menos complicado.

Poderíamos dizer que isso faz realidade o conceito de sobriedade feliz que o Papa Francisco usa na Laudato Si’?

Exatamente, é. Sente-se que na comunidade indígena também se experimenta o cheiro de ovelha que o Papa pede. É simplesmente estar lá com eles, não estar com muitos conceitos e muitas atividades, mas sim, compartilhando a vida cotidiana, e isso faz com que você sinta uma irmandade muito bonita com eles.

O Papa Francisco, frente ao Sínodo para a Amazônia, insiste muito em ouvir os povos da Pan Amazônia, mas sobretudo os povos indígenas. O que eles poderiam ensinar à Igreja Católica?

Há muitas coisas que eles podem ensinar. O que mais exigem é a companhia permanente dos sacerdotes, dos religiosos, que é fundamental para eles. Sabe-se que na Amazônia não é fácil ter religiosos e sacerdotes permanentes. No Vicariato de Puyo somos 17 ou 18 sacerdotes para tanto território. É muito difícil acompanhar permanentemente todas as comunidades. Todo esforço é feito para visitá-los, acompanhá-los e isso é uma prioridade.

Outra coisa que eles pedem de maneira oportuna é um papel maior nas decisões da Igreja, mas é um pouco difícil, pois a Igreja também tem muitas exigências, e para muitas delas as comunidades não estão dispostas a abrir mão. Por exemplo, eles querem muitos padres, mas no processo eles percebem que é muito difícil, por causa de sua visão de mundo indígena, viver o celibato. A cultura deles diz que eles têm que ter filhos, então o celibato e a cultura indígena não são compatíveis.

Essa é uma das questões que está aparecendo na reflexão sinodal, desde seu conhecimento, poderiam se fazer realidade ministérios indígenas para dar a possibilidade de celebrar os sacramentos, a Eucaristia, sem eles ter necessariamente de ser sacerdotes?

Eu acho que desde a Igreja é importante pensar em tudo isso, primeiro, algo que eles também nos reivindicam é o diaconato permanente, eles pensam que dessa forma eles podem ajudar muito mais. Eu tenho pensado por um longo tempo que também pode ser o caso de algumas pessoas casadas, que eles têm um bom casamento, que eles podem ser padres em sua comunidade, é uma possibilidade. Eu não digo o contrário, mas que os casados podem ser padres para que possam prestar um serviço, pessoas que você conhece, que tenham um testemunho de vida, que sua família esteja bem organizada. Eu acho que a gente poderia dar esse passo.

Outro caso, que eu acho que não tem sido muito exercido nas comunidades indígenas da Amazônia, especialmente aqui no Vicariato de Puyo, que é que as mulheres tenham mais destaque nos ministérios, ministério da Palavra, ministério de comunhão, para que elas também possam contribuir um pouco mais.

Qual o papel das mulheres nas comunidades indígenas, no dia-a-dia?

Fundamentalmente a transmissão da cultura, isso é prioritário. Cultura implica tudo o que é vivido. Então, o que a mulher sabe fazer, seu papel na sociedade, é que as mulheres têm espaços próprios que não podem ser atravessados pelos homens. Delimitar esses espaços é particularmente característico das mulheres. E ensinar as meninas como ser uma mulher indígena, isso é importante segundo é entendido na cultura.

Na Igreja com rosto indígena e amazônico que o Papa Francisco nos convida a tornar realidade, que papel a mulher poderia ter?

Creio que um papel muito mais protagonista do que tem até hoje, porque se procurarmos por exemplo os catequistas, a maioria são mulheres e lá fizeram um trabalho muito grande e muito valioso. É aí que penso que poderia ser dado um papel de muita mais responsabilidade, com ministérios da Palavra e da comunhão, para que contribuam mais na construção do Reino em suas comunidades.

O que está faltando na Igreja para que as mulheres possam ter esse papel de liderança?

Por parte da Igreja, eu não sei o quanto pode estar faltando, um pouco mais de abertura talvez, mas eu sinto que mais do lado deles, porque o papel das mulheres é mais cuidar, proteger a cultura, a casa, os valores tradicionais e de repente os esposos não vão permitir que as esposas permaneçam mais tempo na Igreja, porque podem descuidar um pouco sua casa. Então eu acho que aí pode estar a falha. Mas as mulheres que tem se comprometido com a catequese dão o melhor de si para construir o Reino de Deus em sua comunidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Homens casados, com um bom casamento, poderiam ser padres em sua comunidade". Entrevista com Alberio Riascos, missionário colombiano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV