Uma geração de semianalfabetos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Teóloga franciscana desafia a hipocrisia da nova encíclica papal Fratelli Tutti

    LER MAIS
  • Novo secretário do Sínodo dos Bispos lamenta a “enorme energia” despendida pela Igreja “para converter a sociedade secular”: “É mais importante convertermos nós mesmos”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Janeiro 2016

"A análise das notas das redações do Enem 2015 comprova a situação preocupante registrada hoje no nosso Ensino Médio. Afinal, aproximadamente dois milhões de candidatos atingiram uma nota considerada fraca por qualquer estudante ou escola que se preze", escreve Anderson Fernandes, jornalista especializado em Comunicação Estratégica pela Universidade Braz Cubas (UBC), em artigo publicado por EcoDebate, 29-01-2016.

Eis o artigo.

Nesta semana uma amiga comentou que precisava buscar tratamento porque estava totalmente dependente da Internet. Porém, o que mais assustava a moça não era o vício por ficar 24 horas ligada em redes sociais e outros aplicativos, e sim o fato dela estar em um estado de “semianalfabetismo”. Isso mesmo senhores: “semianalfabetismo”!

E a explicação é simples: segundo a pesquisa “Futuro Digital em Foco Brasil 2015”, divulgada pela consultoria comScore, os brasileiros são líderes no tempo gasto nas redes sociais e registram 650 horas por mês nesta atividade. É muita gente interagindo e principalmente escrevendo. E a parte negativa disto é que algumas pessoas estão “assassinando a língua portuguesa”.

São textos que não primam pela boa ortografia; são expressões que têm a informalidade e a coloquialidade como “regra”. E este fenômeno, associado à permanência constante das pessoas nas redes sociais, tem criado uma geração de semianalfabetos. No entanto, seria desleal culpar a Internet por essa situação. A coisa é muito mais grave que parece.

O problema está no nosso sistema educacional, que é fraco. Não é preciso ser um especialista para afirmar que a baixa qualidade do ensino compromete a leitura, uma habilidade que antecede a escrita. E quem não lê, principalmente textos interpretativos, dificilmente consegue associar ideias e gerar raciocínio lógico.

A análise das notas das redações do Enem 2015 comprova a situação preocupante registrada hoje no nosso Ensino Médio. Afinal, aproximadamente dois milhões de candidatos atingiram uma nota considerada fraca por qualquer estudante ou escola que se preze. São jovens que não conseguem ordenar palavras e dar sentido às ideias, utilizando nos textos sem lógica e coerência, gírias, repetições, erros de ortografia e abreviaturas, refletindo nas provas o que estão acostumados a fazer nas redes sociais.

O consultor de treinamentos Marcos Gross foi muito feliz ao afirmar em um artigo que até hoje as famílias brasileiras não criaram o hábito da leitura e o poeta brasileiro Mário Quintana foi categórico ao assegurar que: “Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem”. Portanto, em um cenário em que livros, jornais, revistas e sites informativos são deixados de lado e algumas redes sociais passaram a ser a base de consulta de algumas pessoas, realmente tenho que concordar com a minha amiga. Ela está em um estado de “semianalfabetismo”. E o mais grave é que ela não é uma exceção, já faz parte de uma triste realidade nacional.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma geração de semianalfabetos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV