Abrir-nos a Deus

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O ataque ao Capitólio e a tentativa de golpe contra o Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • Carta ao Povo Brasileiro: por vacina para todos, retorno do auxílio emergencial, mais recursos para o SUS e Fora Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Dezembro 2017

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João, capítulo 1, 6-8.19-28, que corresponde ao Terceiro Domingo do Advento, ciclo B do Ano Litúrgico.O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Eis o texto

A fé converteu-se para muitos numa experiência problemática. Não sabem exatamente o que lhes aconteceu nestes anos, mas uma coisa é clara: já não voltarão a acreditar no que acreditavam em criança. De tudo aquilo só ficam algumas crenças de perfil bastante confuso. Cada um foi construindo o seu próprio mundo interior, sem poder evitar muitas vezes graves incertezas e interrogações.

A maioria destas pessoas faz o seu «percurso religioso» de forma solitária e quase secreta. Com quem irão falar destas coisas? Não há guias nem pontos de referência. Cada um atua como pode nestas questões que afetam o mais profundo do ser humano. Muitos não sabem se o que lhes acontece é normal ou inquietante.

Os estudos do professor de Atlanta James Fowler sobre o desenvolvimento da fé podem ajudar não poucos a entender melhor o seu próprio percurso. Ao mesmo tempo lançam luz sobre as etapas que a pessoa há de seguir para estruturar o seu «universo de sentido».

Nos primeiros estágios da vida, a criança vai assumindo sem refletir as crenças e valores que se lhe propõem. A sua fé não é, todavia, uma decisão pessoal. A criança vai estabelecendo o que é verdadeiro ou falso, bom ou mau, a partir do que lhe ensinam desde fora.

Mais adiante, o indivíduo aceita as crenças, práticas e doutrinas de forma mais refletida, mas sempre tal como estão definidas pelo grupo, a tradição ou as autoridades religiosas. Não se lhe ocorre duvidar seriamente de nada. Tudo é digno de fé, tudo é seguro.

A crise chega mais tarde. O indivíduo toma consciência de que a fé há de ser livre e pessoal. Já não se sente obrigado a acreditar de modo tão incondicional no que ensina a Igreja. Pouco a pouco começa a relativizar certas coisas e a selecionar outras. O seu mundo religioso modifica-se e até se quebra. Nem tudo responde a um desejo de autenticidade maior. Em nós também estão a frivolidade e as incoerências.

Tudo pode ficar aí. Mas o indivíduo pode também continuar a aprofundar o seu universo interior. Se se abre sinceramente a Deus e, o procura no mais profundo do seu ser, pode brotar uma fé nova. O amor de Deus, acreditado e acolhido com humildade, dá um sentido mais profundo a tudo. A pessoa conhece uma coerência interior mais harmoniosa. As dúvidas não são um obstáculo. O indivíduo intui agora o valor último que contém práticas e símbolos antes criticados. Desperta de novo a comunicação com Deus. A pessoa vive em comunicação com todo o bom que há no mundo e sente-se chamada a amar e a proteger a vida.

O decisivo é sempre fazer em nós um lugar real à experiência de Deus. Daí a importância de escutar a chamada do profeta: «Preparai o caminho do Senhor». Este caminho, temos de abri-lo no íntimo do nosso coração.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Abrir-nos a Deus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV