Lumen Fidei. “Uma fé mais itinerante que doutrinal”. Entrevista com Christoph Théobald

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 13 Julho 2013

De acordo com o jesuíta Christoph Theobald, do Papa Francisco destaca a força transformadora da fé em Cristo.

A entrevista é de Claire Lesegretain e publicada no sítio do jornal francês La Croix, 07-07-2013. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Como se poderia resumir esta encíclica Lumen Fidei?

Poderíamos falar de um humanismo evangélico, proposto aqui com um grande cuidado de equilíbrio entre a escuta da Palavra e a visão da luz de Cristo. Na realidade, é como se falássemos das “Luzes cristãs” em contraste com o “século das Luzes”.

Uma fé que não é obscurantismo, nem idolatria. Uma fé que não é mais intransigente: é a primeira vez que um papa fala isso. E isso contradiz de modo especial a tese de Émile Poulat, que diz que o catolicismo não pode se separar da intransigência.

Está dito claramente que o católico não pode ser arrogante, que ele deve, ao contrário, ser humilde, porque se refere a uma verdade que não lhe pertence. Por outro lado, não vejo nenhum elemento que se possa prestar a polêmicas, como foi o caso nas duas encíclicas anteriores. Sem dúvida, é preciso atribuir esta expressão cheia de paz, de sabedoria e de bondade ao Papa Francisco.

A introdução foi escrita por ele?

Não, ela tem claramente o estilo ratzingeriano: a citação de Nietzsche é um pouco sua assinatura, porque ele já a citou outra vez, em sua encíclica sobre o amor! Francisco, sem dúvida, acrescentou algumas frases, mas percebe-se que a relação entre os dois papas é muito fraterna, especialmente na maneira como Francisco diz que ele “assume seu precioso trabalho” (n. 7). Ele realiza assim o que disse sobre “o saber compartilhado que é próprio do amor”: nesse sentido, esta encíclica escrita a quatro mãos é particularmente bela. Nesse mesmo capítulo, de passagem, Francisco definiu a tarefa do sucessor de Pedro que “sempre está chamado a confirmar os irmãos na fé”.

O primeiro capítulo faz um percurso da história da fé desde Abraão: é inovador?

Na verdade, não. Mas o que é novo é a maneira de dizer que a fé se configura a um caminho, que a fé é itinerante e que ela se descobre caminhando. A encíclica destaca a força transformadora da fé (n. 40), que renova o “sentido sacramental da vida humana”. Um pouco mais adiante, recorda-se, de uma maneira nova, que “quanto mais o cristão penetrar no círculo aberto pela luz de Cristo, tanto mais será capaz de compreender e acompanhar o caminho de cada homem para Deus” (n. 35). Estamos bem longe, portanto, de uma fé definida prioritariamente pela doutrina. Por outro lado, na terceira parte, situa-se o Catecismo da Igreja Católica entre os elementos que estruturam a catequese (n. 46); o que é uma maneira elegante de dizer que não podemos idolatrar o Catecismo. Este é integrado a um poderoso movimento experimental que une fé, experiência e caridade.

O que significa a expressão “a fé vista do ponto de vista de Jesus”?

Esta bela expressão também é nova. Ela significa que o cristão que adota o olhar de Cristo coloca sobre a realidade um olhar que sempre está associado ao amor: “nele nós aprendemos a ver a realidade com os olhos do outro” (n. 46). É evidentemente uma grande exigência e não podemos, por outro lado, dizer que esta encíclica é mais exigente que aquela sobre o amor e a esperança. Contudo, o que me incomoda é que o registro é aqui sobretudo joânico (Evangelho de João) e paulino, sem referência aos três Evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas), que são mais concretos e poderiam ter indicado um percurso de iniciação.

A encíclica fala muito do “Deus luminoso”: o que isso significa para a fé?

O Papa faz uma comparação entre a luz do sol, que não clareia tudo, e aquela de Cristo, que clareia tudo e que jamais perde a sua força. Em seguida, oferece uma visão da verdade de Cristo como totalidade (n. 33) sublimando as antigas polêmicas em torno do relativismo que temiam que a fé pudesse tornar-se uma luz a mais no meio de outras tantas luzes. Entretanto, a luz da fé não pode ser desqualificada como sendo totalitária quando ela tem o amor como corretivo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lumen Fidei. “Uma fé mais itinerante que doutrinal”. Entrevista com Christoph Théobald - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV