Emergência Climática – Mudanças climáticas aumentam risco de contaminação por mercúrio pelo derretimento do permafrost

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Outubro 2019

À medida que as temperaturas globais continuam subindo, o degelo do permafrost nas áreas do Ártico está acelerando e o mercúrio que ficou preso no solo congelado agora está sendo liberado de várias formas nas vias fluviais, no solo e no ar.

A reportagem é publicada por University of New Hampshire e reproduzida por EcoDebate, 18-10-2019. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Degelo do permafrost

De acordo com pesquisadores da Universidade de New Hampshire, esse processo pode resultar na grande transformação do mercúrio em formas mais móveis e potencialmente tóxicas que podem levar a consequências ambientais e problemas de saúde para a vida selvagem, a indústria pesqueira e as pessoas no Ártico e além .

Em sua pesquisa , publicada recentemente na Geochemical Perspectives Letters, os cientistas examinaram a realocação de mercúrio – o movimento de solos previamente congelados para os ambientes circundantes – ao norte do Círculo Polar Ártico, em Abisko, na Suécia. Eles descobriram que, conforme a paisagem muda devido ao aquecimento das temperaturas, eles observam um aumento significativo nos níveis de metilmercúrio, uma neurotoxina, que pode ter uma cascata de efeitos.

“Nossa pesquisa sugere que a vida selvagem do Ártico, como pássaros e peixes, pode estar em risco aumentado de exposição a níveis mais altos de metilmercúrio que podem afetar sua reprodução e população”, disse Florencia Fahnestock, candidata a doutorado em ciências da Terra e principal autora. do estudo. “Ele também tem o potencial de impactar os povos indígenas se eles estiverem comendo animais selvagens contaminados com metilmercúrio e, possivelmente, a indústria pesqueira, se o mercúrio for liberado da bacia para o oceano”.

O estudo analisou detalhadamente como as mudanças climáticas estão causando a transformação das paisagens e, portanto, favorecem a produção de metilmercúrio. Eles analisaram o “mercúrio total” – todas as formas diferentes de mercúrio, incluindo sólido, gás, metil – e a maneira como ele muda, juntamente com as paisagens de degelo, para o metilmercúrio mais nocivo. A forma mais tóxica de mercúrio, é mais facilmente absorvida pelos animais. Três paisagens diferentes foram examinadas para a evolução das comunidades de mercúrio e microbiana ao longo dessas paisagens para determinar como essas mudanças ocorreram. Eles avaliaram a palsa, ou permafrost congelado, a área semi-descongelada, freqüentemente conhecida como pântano, e o fen, uma paisagem saturada cheia de água corrente e turfa totalmente descongelada.

Ar, água e solo foram analisados quanto ao metilmercúrio e os pesquisadores descobriram que os pântanos tinham concentrações muito maiores de metilmercúrio do que as outras paisagens. Fahnestock explica que, embora o permafrost contenha mercúrio, ele não é metilado. Somente quando atinge os pântanos aquosos é que a falta de oxigênio nos sedimentos fornece o ambiente perfeito para a conversão em metilmercúrio.

“Não temos uma boa noção de como o mercúrio entra nas redes alimentares terrestres; pode depender de onde os animais terrestres pastam ”, disse Julie Bryce, professora de geoquímica. “As plantas que crescem em alguns desses ambientes de degelo podem ser carregadas de mercúrio.”

O mercúrio é naturalmente emitido na atmosfera por vulcões, incêndios florestais e pelo desgaste das rochas, mas os combustíveis fósseis e a mineração de ouro também são os principais contribuintes. Enquanto o estudo analisou as mudanças da paisagem no Ártico, os pesquisadores dizem que essa mesma migração de mercúrio e produção de metilmercúrio podem ocorrer em outras áreas. O mercúrio, liberado durante o degelo, pode ser transportado pela água e pelo vento – geralmente muito longe de sua fonte original. Se for convertido em metilmercúrio após a liberação ou durante o transporte, ele tem mais potencial para entrar na cadeia alimentar – através de peixes, pássaros e animais selvagens – e a potência aumenta à medida que sobe na cadeia alimentar, tornando-se uma possível preocupação de saúde pública.

Referência:

Mercury reallocation in thawing subarctic peatlands
M.F. Fahnestock, J.G. Bryce1, C.K. McCalley, M. Montesdeoca, S. Bai, Y. Li, C.T. Driscoll, P.M. Crill, V.I. Rich, R.K. Varner Geochemical Perspectives Letters v11 | doi: 10.7185/geochemlet.1922 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Emergência Climática – Mudanças climáticas aumentam risco de contaminação por mercúrio pelo derretimento do permafrost - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV