Após 4 anos de negociações, FARC e governo colombiano assinam acordo final de paz

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Agosto 2016

As FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e o governo colombiano anunciaram nesta quarta-feira (24/08) a conclusão das negociações de paz que põem fim ao conflito armado que já dura mais de 50 anos no país.

A informação é publicada por Opera Mundi, 24-08-2016.

O anúncio foi feito em Havana, capital de Cuba, onde desde novembro de 2012 acontecem os diálogos de paz. Humberto de La Calle, representante do governo da Colômbia, e Ivan Marquez, representante das FARC, assinaram o texto do acordo final, assim como os representantes dos governos de Cuba e Noruega, países fiadores do processo de paz.

Os dois lados assinaram um cessar-fogo bilateral em junho, um dos pontos mais complexos do acordo e que abriu caminho para a conclusão das negociações. As condições sobre como será a anistia aos guerrilheiros, sua futura participação política e reincorporação à vida civil foram os últimos temas a serem acordados.


Representantes do governo colombiano, das FARC, de Cuba e da Noruega em cerimônia de assinatura do acordo final (Foto: MinRex Cuba)

O texto final deverá ser referendado pela população colombiana, que será convocada a votar em um “plebiscito pela paz” para dizer se concorda ou não com os termos negociados pelas FARC e pelo governo da Colômbia em Havana.

Segundo o acordo de paz, as FARC irão pôr fim à luta armada e buscar seus objetivos políticos por meio da atuação partidária na democracia representativa colombiana.

“Não há espaço para vencedores e perdedores quando se chega à paz por meio de negociações”, escreveu Rodrigo Granda, representante das FARC, em seu Twitter.

“Desde Havana, quero compartilhar com o povo cubano minha satisfação de ter chegado a este ponto”, escreveu, também em seu Twitter, Timoleon Jimenez, líder das FARC.

Com o fim das negociações, os representantes do governo colombiano e das FARC enviarão o texto final assinado nesta quarta-feira ao Congresso do país nesta semana.

O texto definitivo será analisado por uma comissão do Senado para que seja convocado o plebiscito para que os colombianos referendem ou não o acordo entre o fim de setembro e o começo de outubro.

As FARC, por sua vez, levarão o texto final a um congresso interno, conhecido como Décima Conferência, em que as bases guerrilheiras darão seu aval aos pontos negociados em Havana.

Espera-se que, com a vitória do “sim” ao fim do conflito segundo o texto do acordo no referendo popular, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e o líder das FARC, Timoleon Jimenez, assinem o texto final até o fim deste ano, o que colocaria em vigor o acordo de paz.

Para além destes passos, a verificação e o respeito aos pontos da agenda discutida nos últimos quatro anos em Havana são as garantias para a paz duradoura na Colômbia. Em janeiro, os dois lados concordaram na participação da ONU como monitora do cessar-fogo e da resolução das eventuais disputas que possam surgir da desmobilização de pelo menos 7 mil guerrilheiros armados.

Em agosto, foram anunciados os critérios para escolha dos juízes que atuarão na Jurisdição Especial para a Paz, um tribunal estabelecido no processo de diálogo entre as partes e que julgará delitos cometidos durante o conflito entre a guerrilha e as forças colombianas

O conflito entre diversas guerrilhas, entre elas as FARC, e o governo colombiano já deixou mais de 220 mil mortos e pelo menos um milhão de pessoas desalojadas desde 1964. O governo Santos e as FARC estão desde 2012 negociando um acordo de paz que dê fim ao conflito entre as duas partes e trate de justiça e reparação para as vítimas e de reinserir as pessoas envolvidas na guerrilha na sociedade civil.

Leia mais...

Governo da Colômbia e FARC fecham histórico acordo de paz em Havana

Colômbia. Jesuíta se oferece em troca de um sequestrado pelo ELN. Governo recusa a troca de reféns

50 anos de solidão, dor e de uma guerra sem fim na Colômbia. Entrevista especial com Francisco De Roux

Começa a campanha do plebiscito pela paz na Colômbia

Santos apresentou data para ratificar a paz

O acordo dos acordos na Colômbia

Colômbia, rumo ao referendo para ratificar a paz

“Uma Colômbia diferente é possível”. Artigo de Francisco de Roux

Acordo de Paz. O anoitecer de um dia agitado na Colômbia

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após 4 anos de negociações, FARC e governo colombiano assinam acordo final de paz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV