O erótico da cruz

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • Os apelos de Bergoglio e as ideias de Küng: quando a Igreja se descobre “comunista”

    LER MAIS
  • “Defender ditadura, isso está fora de qualquer possibilidade de quem quer ser discípulo de Jesus”, afirma Dom Mol

    LER MAIS
  • Animação bíblica da pastoral a partir das comunidades eclesiais missionárias. A proposta da 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2021

"Ali, naquele ato de entrega, Ele se dá todo e, em cada Eucaristia, nós continuamos comendo e bebendo daquele corpo erótico que nos inflama deste mesmo desejo que nos faz estar com os outros", escreve Ademir Guedes Azevedo, padre, missionário passionista e mestre em teologia fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma.

Eis o artigo.

A influência do éros grego é nítida em nossa cultura ocidental não apenas como elemento inerente à condição humana, mas também como fator que condiciona a qualidade de nossas relações. O eros, como força vital do desejo, impulsiona a uma saída de si rumo ao encontro de um "tu" que completa e preenche o vazio do ser humano. Eros é desejo ardente pelos belos corpos, como insistiam os gregos, e remédio que cura nossa dor de solidão. Todo ser humano deseja estar com um outro para preencher-se e realizar seu projeto de vida.

Em plena pandemia foi nítida a agonia do eros. Confinados em nossas casas, sentimos na alma a dor oriunda da separação e do distanciamento daqueles que amamos. O resultado foi a exploração das doenças da mente, como a depressão. Nossa energia erótica torna-se salutar sempre que estamos ao lado daqueles que desejamos. O eros completa nossa existência vazia e solitária, dando-nos aqueles momentos de alegria que nascem da convivialidade, pois ninguém deve ser condenado a viver sozinho e isolado da comunidade humana. Enquanto houver pandemias, infelizmente, nossa energia erótica estará enferma, clamando por libertação, ou seja, gritando em nosso interior por momentos de presença e de toques humanos.

A nível teológico, dirá Bento XVI em sua primeira Encíclica, Deus caritas est, que uma das novidades da fé cristã é o próprio Deus desejar encontrar-se com a humanidade. O Pai, possuído pelo éros, envia o Filho para que o mundo experimente aquele amor que as três pessoas divinas desfrutavam no interior da Trindade imanente. Assim, o Papa Bento recordava a toda a Igreja que Deus conhece não só ágape, mas também eros, presente desde as origens em suas entranhas maternas. Todavia, a revelação divina em Jesus faz novas todas as coisas, inclusive no que toca a natureza da energia erótica. Jesus de Nazaré usou o seu eros para desejar estar com os preferidos de Deus, aqueles corpos feios e descartados da sociedade: pobres, coxos, surdos, cegos, leprosos, etc. O Filho sente-se atraído por eles, por isso subverte a lógica do desejo erótico grego, onde o corpo do outro servia meramente para satisfazer relações sexuais momentâneas. A energia erótica de Jesus deseja o corpo do outro para ungi-lo com o óleo da compaixão e do cuidado, como bem se vê na parábola do bom samaritano.

O ser erótico de Jesus o conduz, como prova máxima de seu desejo pelos corpos esquecidos, até a cruz. Sim, vê-se já naquele último ato comensal que precede o seu calvário a agitação do seu éros quando ele se dirige aos discípulos: “Desejei ardentemente comer esta páscoa convosco antes de sofrer” (Lc 22,15). Ali, naquele ato de entrega, Ele se dá todo e, em cada Eucaristia, nós continuamos comendo e bebendo daquele corpo erótico que nos inflama deste mesmo desejo que nos faz estar com os outros.

No entanto, não é ainda naquela ceia derradeira que vemos a explosão do ser erótico de Jesus, mas sim na sua cruz. Nela, o eros liberta-se completamente de sua agonia, ou seja, leva à plenitude o desejo de estar com o outro. Como assim? Na cruz tem-se um corpo de um homem despido. Desprovido da beleza exterior, tão cara aos gregos, vê-se um jovem suspenso num madeiro. Todavia, e aqui reside a novidade daquele eros crucificado, um corpo feio e desprezível atrai todos a si, pois ele mesmo havia dito: “Quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim” (Jo 12,32).

Com o corpo flagelado de Jesus, a cruz banha-se de eros. Na cruz está uma beleza diferente, pois há um corpo que se torna estranho aos nossos olhos, mas é só assim que pode ser solidário conosco. Um corpo feio por fora, mas belo por dentro. O eros da cruz está nas entranhas de um crucificado que inverteu a lógica do desejo corrente: não mais a atração pelos belos corpos, mas a entrega em favor das vidas crucificadas; revela-se um Deus que deseja estar ao nosso lado, sobretudo quando estamos com a cruz sobre os ombros. O elemento erótico da cruz traz uma boa notícia a todos: Deus só pode ser Deus se se importa com a cruz que aniquila a beleza de nossos corpos. Exatamente aqui está o Deus que nos ama.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O erótico da cruz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV