O decrescimento não é uma escolha

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Fevereiro 2021

“Só a partir da desmontagem e aniquilação desta gigantesca máquina do crescimento oligárquico poderemos iniciar o libertador decrescimento feliz”, escreve Julio García Camarero, doutor em Geografia pela Universidade de Valência, em artigo publicado por Rebelión, 12-02-2021. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

O decrescimento não é uma teoria, nem uma escolha possível. É um fenômeno degradante e suicida da biosfera, gerado pelo crescimento oligárquico, crescimento do 1% que origina um decrescimento infeliz sobre os 99%, e o realiza a partir de duas doenças mentais suicidas e pandêmicas: a obsessão pela acumulação e a mania de hegemonia.

Estas duas doenças estão espoliando e extraindo todos os recursos planetários: as energias não renováveis (energias fósseis, matérias minerais, etc.) e as renováveis (o solo vivo carregado de microfauna e nutrientes naturais). Estão fazendo decrescer vertiginosamente os recursos do planeta.

Atualmente, já estamos decrescendo. Uma demonstração disso são: o pico do petróleo, a desertificação subsaariana (que está provocando uma intensa migração climática que termina em uma enorme quantidade de mortes nos botes que atravessam o Mediterrâneo), a salinização em massa da água doce das calotas polares, a contaminação de solos, água e ar, etc.

Tudo isto dará lugar a um multicolapso, que será energético, econômico, social, do trabalho, cultural, sanitário, de subsistência, etc.

Nesse contexto, o decrescimento pode seguir dois rumos opostos: um decrescimento infeliz ou um decrescimento feliz.

a) O decrescimento infeliz

Consiste em que a elite do decrescimento oligárquico, ao ver e compreender que os recursos planetários começam a ser muito limitados, empreendam, para reservar para eles estes escassos recursos, algumas ações atrozes como a necropolítica e o ecofascismo, que serão geradoras de extermínio em massa e global de milhares de milhões de humanos.

Isto já está sendo praticado por Bolsonaro, ao incendiar as moradias naturais das populações indígenas da floresta amazônica, e com o seu negacionismo da pandemia de covid-19.

Outra necropolítica a ser destacada, entre muitas outras, pode ser a construção do muro fronteiriço gringo-mexicano que condena à fome milhões de latino-americanos.

b) O decrescimento feliz

Para evitar o mencionado decrescimento infeliz, nós, os 99%, teremos que conseguir perceber que a única saída deste multicolapso, que já começamos a sofrer (pandemias e grandes migrações, fome, aquecimento global, etc.), é optar pela substituição deste decrescimento infeliz por um decrescimento feliz, baseado no desaparecimento do crescimento oligárquico, mediante a greve de consumismo, pois o suicida crescimento oligárquico morre, caso não venda coisas absurdas e inúteis (pseudonecessidades), e também baseado na austeridade global digna e saudável, no apoio mútuo, no localismo emancipador e no ruralismo.

Mas este decrescimento feliz nunca poderá acontecer enquanto persistir o crescimento oligárquico extrativo e exterminador. Sendo assim, a primeira coisa a ser feita, segundo o que já foi dito, é uma greve de consumismo e de trabalho indefinida, sobretudo de consumismo, pois o crescimento oligárquico morrerá por asfixia se deixa de vender pseudonecessidades e coisas inúteis que inundam tudo com mercadorias efêmeras, conforme as que são obtidas com a obsolescência programada.

Só a partir da desmontagem e aniquilação desta gigantesca máquina do crescimento oligárquico poderemos iniciar o libertador decrescimento feliz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O decrescimento não é uma escolha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV