Por que um Jesus branco é um problema

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Julho 2020

Quantos de nós são confrontados com a imagem de Jesus em um corpo negro nas nossas paróquias? Quantos de nós se sentem desconfortáveis com o fato de Deus ter escolhido se encarnar em um corpo que não era branco, mas provavelmente pardo?

Publicamos o editorial do jornal National Catholic Reporter, 30-06-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A maioria de nós já viu estas imagens agora. Manifestantes reunidos em parques e em espaços públicos em todo o país [EUA], com cordas e roldanas nas mãos, pretendem derrubar estátuas de generais confederados, ex-presidentes e até mesmo santos com histórias questionáveis de racismo ou de aberta supremacia branca.

As igrejas serão as próximas?

Shaun King, escritor residente do Fair Punishment Project da Escola de Direito de Harvard, ativista e provocador de mídia social, tuitou uma sugestão no dia 22 de junho de que as estátuas do “europeu branco que eles afirmam ser Jesus” deveriam ser retiradas dos nossos locais de culto em todo o país.

“Todos os murais e vitrais do Jesus branco, da sua mãe europeia e dos seus amigos brancos também deveriam ser derrubados”, acrescentou King mais tarde.

Embora certamente não toleremos a violência contra as propriedades eclesiais, King e os milhares que concordaram em responder à sua mensagem têm razão. Como judeu palestino, Jesus não era branco, e a onipresente representação de Jesus não apenas como branco, mas também com cabelos loiros e olhos azuis, como na famosa ilustração “Cabeça de Cristo”, de Warner Sallman, tem consequências, tanto teológicas quanto psicológicas.

Um Jesus exclusivamente branco não apenas restringe a nossa compreensão dele, mas também envia uma mensagem que conecta Jesus aos poderosos, e não aos oprimidos.

“Se Jesus é branco e Deus é branco, a autoridade é branca”, disse Anthea Butler, professora de Estudos Religiosos e Estudos Africanos da Universidade da Pensilvânia ao Religion News Service.

Uma das singularidades da experiência católica é a forma como Jesus, Maria e muitos santos são representados de maneira diferente nas sociedades de todo o mundo. Uma caminhada pelas mais de 80 capelas da Basílica do Santuário Nacional da Imaculada Conceição em Washington mostra a Sagrada Família com uma multidão de rostos.

Um destaque é a capela “Nossa Mãe da África” [veja imagens aqui], que inclui impressionantes representações negras dos rostos dos escritores do Evangelho e um Jesus crucificado feito de ébano, esculpido por um escultor da Tanzânia.

Mas quantos de nós pensam nessas faces nas nossas vidas diárias de oração? Quantos de nós são confrontados com a imagem de Jesus em um corpo negro nas nossas paróquias? Quantos de nós se sentem desconfortáveis com o fato de Deus ter escolhido se encarnar em um corpo que não era branco, mas provavelmente pardo?

Vinte anos atrás, o NCR celebrou o novo milênio com um concurso de arte para responder à pergunta: “Como seria Jesus Cristo no ano 2000?”. A imagem vencedora de Janet McKenzie mostrava o Salvador como um negro, que, nas palavras da jurada Ir. Wendy Beckett, tinha “lábios escuros e grossos, olhando para nós com uma dignidade inefável, com tristeza, mas com confiança”.

Detalhe da obra “Jesus do Povo”, de Janet McKenzie, vencedora do concurso de arte “Jesus 2000”, promovido do National Catholic Reporter em 1999 (Imagem: NCR)

Talvez os concursos de arte sejam um ponto de partida. As dioceses poderiam realizá-los, oferecendo às imagens vencedoras um lugar de destaque em suas catedrais. Melhor ainda, poderiam sugerir que suas paróquias tentassem substituir pelo menos uma versão branca de Jesus e Maria por representações de pessoas negras.

Os símbolos importam, é claro. E as versões de Jesus que os católicos brancos dos EUA veem em suas paróquias certamente influenciarão o modo como olham para seus vizinhos não brancos e se esses católicos brancos vão resistir às estruturas pecaminosas do racismo.

“Amar outra pessoa é ver a face de Deus”, canta Jean Valjean no musical “Les Misérables. Existem pelo menos tantas faces de Deus quanto pessoas na Terra. As nossas igrejas deveriam retratar essa multidão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que um Jesus branco é um problema - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV