“A sinodalidade está em risco, mas o documento do Sínodo indica o caminho para o futuro”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “A pandemia é a maior ameaça para a democracia na América Latina, desde os anos 1980”. Entrevista com Steven Levitsky

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Fevereiro 2020

Parece-nos que o texto da exortação reforça o clericalismo que o próprio Francisco quer combater. Para além da nossa posição crítica, não podemos aceitar que esse texto seja uma virada no pontificado.

O comentário é publicado por Noi Siamo Chiesa, 12-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A leitura dos três primeiros capítulos da exortação pós-sinodal “Querida Amazônia” (“Um sonho social”, “Um sonho cultural”, “Um sonho ecológico”) é interessante. Percorre-se o itinerário anterior e contextual do Sínodo que teve uma ampla participação de baixo, totalmente incomum para momentos da vida eclesial desse tipo.

Nele, a Igreja amazônica deu a melhor contribuição que existe no que se refere a uma análise desencantada da situação. Passa-se da rapina dos recursos ao desastre ecológico, até a história das riquezas culturais dos povos indígenas, que agora sofrem muito com as violências permanentes que sofrem e com a desintegração que suportam, forçados há muito tempo a emigrações e a urbanizações contínuas.

O “bem viver” dos povos indígenas (aquele que sobreviveu) “implica uma harmonia pessoal, familiar, comunitária e cósmica e manifesta-se no seu modo comunitário de conceber a existência, na capacidade de encontrar alegria e plenitude numa vida austera e simples, bem como no cuidado responsável da natureza que preserva os recursos para as gerações futuras”.

O texto denuncia incondicionalmente “a injustiça e o crime”, e também é rico em descrever as diversidades e a complexidade dos povos amazônicos.

O quarto capítulo (“Um sonho eclesial”), por sua vez, contém aquilo que diz respeito mais diretamente à Igreja. Ele fala amplamente da inculturação, detém-se sobre a necessidade e oportunidade absolutas que os leigos, e as mulheres em particular, continuem no papel que já desempenham de dar continuidade à vida de tantas comunidades pequenas e dispersas. É forte a ênfase na importância da Eucaristia como momento indispensável da vida do Povo de Deus.

Mas a passagem fundamental e mais esperada que realmente permitiria ir na direção da inculturação, a da aceitação da proposta dos viri probati, é ignorada, ou seja, rejeitada. Recorre-se a uma descrição do papel do “sacerdote” (não do “presbítero”) que parece escrita pelo ex-Santo Ofício.

Quanto ao diaconato feminino, depois de muitos reconhecimentos aos papéis femininos, uma idêntica posição negativa. O texto diz: “Na realidade, este horizonte limitaria as perspectivas, levar-nos-ia a clericalizar as mulheres, diminuiria o grande valor do que elas já deram e sutilmente causaria um empobrecimento da sua contribuição indispensável”.

É realmente surpreendente essa afirmação que rejeita o diaconato feminino muito além das fronteiras da Amazônia. Parece-nos evidente uma contradição entre a proclamada vontade de aceitar plenamente as sensibilidades e as culturas que vêm de longe e que exigem reconhecimentos e acolhida com o dever de reconhecer novos ministérios e, em particular, de facilitar a assembleia eucarística comunitária, cujo papel, aliás, é enfatizado.

Tudo isso para respeitar a norma canônica do celibato dos padres que, aplicada especificamente, parece-nos contradizer, de modo pouco evangélico, as legítimas expectativas do povo cristão dos países amazônicos e da qual, com ampla maioria, o Sínodo deseja a mudança.

Outras propostas significativas, para as quais o papel do Vaticano é importante, são ignoradas. Pensemos no pedido de “redimensionar as extensas áreas geográficas das dioceses, vicariatos e prelazias”, de “criar um fundo amazônico de apoio à evangelização”, de “sensibilizar e encorajar as agências de cooperação católica internacional para apoiar as atividades de evangelização além dos projetos sociais”, de criar estruturas pós-sinodais amazônicas.

O Sínodo também pediu “elaboração de um rito amazônico que exprima o patrimônio litúrgico, teológico, disciplinar e espiritual da Amazônia”. É uma proposta muito importante, mas os novos ritos devem ser aprovados por Roma! Além disso, o Sínodo levantou a hipótese da criação de uma Universidade Amazônica.

A nossa profunda decepção se une a considerações mais gerais sobre a colocação da exortação dentro deste momento particular da vida eclesial. Nós, junto com muitos outros, pensamos que esse texto foi fortemente condicionado pela questão alemã, em que o Caminho Sinodal, recém-iniciado lá, fez entrever, desde o início, uma posição explícita em favor do celibato facultativo dos padres e do diaconato feminino.

Portanto, o Papa Francisco penalizou a cristandade na Amazônia para bloquear a Igreja na Alemanha (e também em outros lugares, por exemplo, na Austrália)?

Parece-nos que o texto da exortação reforça o clericalismo que o próprio Francisco quer combater, contradiz a opinião que nos parece generalizada no laicato católico favorável ao celibato facultativo, fortalece muito os conservadores de todos os tipos, daqueles corretos àqueles desleais na Cúria e fora, que não conhecem o Evangelho que condena os seus ídolos.

Para além da nossa posição crítica, não podemos aceitar que esse texto seja uma virada no pontificado. Parece-nos de grande importância o texto sinodal, que o próprio Francisco convida a ler “integralmente”, exortando todos a se empenharem “na sua aplicação e que, de alguma forma, possa inspirar todas as pessoas de boa vontade”.

Ele indica o caminho para o futuro, quando ele não poderá deixar de ser recebido. É realmente uma pena que o Papa Francisco tenha tido dificuldade em aceitá-lo toto corde.

Noi Siamo Chiesa
Roma, 12-02-2020

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A sinodalidade está em risco, mas o documento do Sínodo indica o caminho para o futuro” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV