Ex-ministro Renato Janine Ribeiro compara situação de Lula à de Getúlio Vargas em 1954 e se diz 'chocado'

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Março 2016

O filósofo e ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro se manifestou nesta sexta-feira (04/03) com relação à ação que levou o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva para depor de forma coercitiva na sede da corporação, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O ex-ministro chamou a ação policial de invasão” e ressaltou que “os custos institucionais serão altos. Quando o ódio chega ao ponto de faltar ao protocolo elementar, o espaço de diálogo, que já é hoje muito pequeno, se torna ainda mais exíguo”.

A informação é publicada por Opera Mundi, 04-03-2016.

Em outro post, Janine comparou a ação ao ocorrido com o ex-presidente Getúlio Vargas em 1954. “O cerco a Lula lembra muito isso. Um apartamento de classe média no Guarujá, um sítio decorado com hábitos modestos vão cercando o ex-presidente. Que ele poderia e deveria depor, OK. Mas condução coercitiva, nunca. Que se negociasse seu depoimento, com absoluto respeito ao cargo que ocupou. Porque ao desrespeitá-lo, estão sendo desrespeitados os brasileiros que o conduziram à presidência e também os que o apoiam”.

Na sequência de publicações, ressalta que a estratégia da oposição de tomar o poder mudou o rumo. “Agora a estratégia é outra. É tirar [o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo] Cunha, Dilma e Lula. “Se o mandato de Dilma for cassado pelo TSE, vai embora também [o vice-presidente Michel] Temer e, se isso ocorrer este ano, em três meses haverá eleições diretas à presidência. Enquanto isso, Cunha governa. Ora, isso é insustentável”.

Ele observa ainda que Temer estaria em uma situação delicada porque “Temer é muito inteligente. Nem seu perfil nem o momento presente permitem que ele seja nosso vice-presidente-assumindo-a-presidência nota mil, Itamar Franco. Mas ele não é bobo de querer ser nosso vice-presidente-assumindo-a-presidência nota zero, Café Filho” e conclui que “para saber quem foi Café, 99% terão que olhar a Wikipedia, enquanto quase todos sabem quem foi Getúlio Vargas ou JK. Não vale a pena. Temer é inteligente e não vai querer um papel desses”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ex-ministro Renato Janine Ribeiro compara situação de Lula à de Getúlio Vargas em 1954 e se diz 'chocado' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV