Kaiowá Guarani – vamos resistir

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2014

"Kurusu Ambá está à beira de um genocídio anunciado. Está anunciado o despejo da comunidade para o dia 26 deste mês. Está constantemente sendo agredida por jagunços que destorem e queimam os barracos e atemorizam a população", alerta Egon Heck, membro do secretariado do Conselho Indigenista Missionário – Cimi.

Eis o artigo.

Clima desértico. Calor infernal no planalto central. Brasília ferve. Algumas dezenas de Kaiowá Guarani e Terena caminham até o pátio do Supremo Tribunal Federal (STF). Seus cantos e
rituais ecoam entre as paredes de vidro. O forte calor não lhes tira o ardor e decisão de lutar pelos seus direitos, seja onde for. Em seus corpos pintados o recado: queremos nossas terras. No Jeroki ritual o gesto de profunda espiritualidade e secular esperança e resistência.

Rodeado de crianças o nhanderu (lider espiritual) Getulio se dirige as presentes: é por essas crianças que estamos lutando. Não queremos guerra, demarquem nossa terra, pois nela queremos viver em paz. Confiamos na sensibilidade e Justiça dos senhores ministros do STF.

Entre um turno e outro: Cadê o compromisso com nossos direitos?

As lideranças da delegação também se mostraram apreensivas e preocupadas com as eleições. Não entendem por que os dois candidatos a presidente do país não mencionaram nenhuma vez os direitos indígenas em seus programas. Marina condicionou seu apoio ao compromisso da demarcação das terras indígenas. Exigem que os candidatos se comprometam em cumprir a Constituição demarcando as terras.

Se a isso somarmos a eleição de um Congresso dos mais conservadores das últimas décadas, não fica difícil entender as causas de tamanha preocupação dos povos indígenas do Mato Grosso do Sul e de todo o Brasil.

Documento protocolado nos gabinetes

Uma delegação de três indígenas adultos e três crianças percorreram os gabinetes de todos os Ministros do Supremo protocolando a carta da Aty Guasu contendo um enfático apelo pelo cumprimento da Constituição, demarcando os territórios indígenas , pelo fim do estado de violência e guerra em que se encontram as aldeias e acampamentos indígenas no Mato Grosso do Sul.

Na carta os resistentes guerreiros deixam claro uma vez mais que “Diante da demora da demarcação de nossas terras nós povos Guarani Kaiowá já voltamos a retomar nossas terras, começamos no mês de setembro, não vamos mais aguardar as promessas do governo. Já fomos enrolados pelo governo...Nós Guarani Kaiowá fomos expulsos das nossas terras em 1970 pelos fazendeiros. Pedimos ao Supremo Tribunal Federal que considere nossas histórias de vida, nós fomos massacrados pelos fazendeiros há mais de um século. Agora o próprio STF e governo estão massacrando, estão começando a dizimar, pois não demarcam a nossas terras , nem reconhecem nossos direitos. Diante disso viemos declarar que nós não vamos sair de nossas terras. Vamos recuperar as nossas terras por direito.” (Carta ao governo, supremo e todas autoridades federais).

Entendem que a garantia das terras aos parentes da Raposa Serra do Sol não se dá às custas da morte, violência e negação das terras dos demais povos indígenas, em especial do Mato Grosso do Sul.

Cenário de guerra

O cenário e realidade de guerra em que vivem os obrigam a levar seu grito mundo afora e aos espaços de decisão sobe suas terras.

Enquanto a delegação veio a Brasília foi recebendo informações estarrecedoras das violências e mortes a que estavam sendo submetidas suas comunidades: em Laranjeira Nhanderu morreu atropelado o jovem de 14 anos, Ismael Mariano de Lima. São dezenas de indígenas que morrem anualmente atropelados. As comunidades de Guaiviry e Pueblito Kuê foram cercadas por pistoleiros, que tentam submete-los a um regime de cárcere e isolamento. Em Pueblito Kuê faleceu Mikaele Flores de três anos de idade. Causa da morte – desnutrição, fome e ingestão de água imprópria para consumo humano.

Kurusu Ambá está à beira de um genocídio anunciado. Está anunciado o despejo da comunidade para o dia 26 deste mês. Está constantemente sendo agredida por jagunços que destorem e queimam os barracos e atemorizam a população. “A coisa é tão absurda que querem nos penalizar por termos sido expulsos de nossos territórios. Querem que assumamos a culpa por esses crimes” desabafa uma das lideranças.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Kaiowá Guarani – vamos resistir - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV