“Os cristãos devem se libertar da ‘síndrome de Jonas’”, diz Papa Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro, alguém que nos fez acreditar na grandeza de sermos Rede

    LER MAIS
  • As mulheres e o futuro da Igreja. Artigo de Joseph Moingt

    LER MAIS
  • Dano colateral: “o pior dos monstros” está se propagando e não é o coronavírus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Outubro 2013

É necessário lutar contra a “síndrome de Jonas” que nos leva à hipocrisia de pensar que nossas obras são suficientes para nos salvar. As palavras são do Papa Francisco e ditas na missa da manhã desta segunda-feira na Casa Santa Marta. O bispo de Roma chamou a atenção sobre “uma atitude de religiosidade perfeita”, que segue a doutrina, mas que não se preocupa com a salvação dos “pobres”.

A reportagem está publicada no sítio Religión Digital, 14-10-2013. A tradução é de André Langer.

O Profeta Jonas
Fonte: http://www.periodistadigital.com/religion/

A “síndrome de Jonas” e o “sinal de Jonas”. O Santo Padre centrou sua homilia neste binômio. Jesus, observou, fala no Evangelho de hoje de uma “geração perversa”. É palavra muito forte. Mas, disse, Jesus certamente não se referia às pessoas “que o seguiam com tanto amor”, mas aos “doutores da lei” que “procuravam colocá-lo à prova para fazê-lo cair na armadilha”.

Eram pessoas que, de fato, “pediam-lhe sinais” e Jesus responde que só lhes será dado o “sinal de Jonas”. Existe, no entanto, prosseguiu Francisco, a “síndrome de Jonas”. O Senhor lhe pediu que fosse a Nínive, mas ele fugiu para a Espanha. Jonas, disse, “tinha as coisas claras”: “a doutrina é esta”, “deve-se fazer isto” e que os pecadores “que se arranjem por conta própria, porque eu não tenho nada a ver com isso”. Àqueles que “vivem segundo esta síndrome de Jonas”, acrescentou o Pontífice, Jesus “chama de hipócritas, porque não querem a salvação” dos “pobres”, dos “ignorantes” e dos “pecadores”.

“A ‘síndrome de Jonas’ não tem zelo pela conversão das pessoas, busca uma santidade – permito-me a palavra – uma santidade de ‘lavanderia’, toda bonita, impecável, mas sem esse zelo que nos leva a anunciar o Senhor. Frente a esta geração doente da ‘síndrome de Jonas’, o Senhor promete o sinal de Jonas. A outra versão, a de Mateus, diz que Jonas esteve dentro da baleia por três dias e três noites, referência a Jesus no sepulcro – a sua morte e ressurreição –, e aquele é o sinal que Jesus promete contra a hipocrisia, contra esta atitude de religiosidade perfeita, contra esta atitude de um grupo de fariseus”.

Há uma outra parábola do Evangelho, acrescentou o Pontífice, que retrata muito bem este aspecto: a do fariseu e do publicano que rezavam no Templo. O fariseu, “tão seguro de si mesmo”, dava graças a Deus diante do altar por não ser como o publicano que, ao contrário, pedia somente a misericórdia do Senhor, reconhecendo-se pecador. Eis aqui “o sinal que Jesus promete para o seu perdão, através da sua morte e ressurreição”, disse o Papa, “é sua misericórdia”: “Misericórdia e não sacrifícios”.

“O sinal de Jonas, o verdadeiro, é aquele que nos dá a confiança de seremos salvos pelo sangue de Cristo. Quantos cristãos, quantos há, que pensam que serão salvos apenas pelo que fazem, por suas obras? As obras são necessárias, mas são uma consequência, uma resposta àquele amor misericordioso que nos salva. Mas ó as obras sozinhas, sem esse amor misericordioso, não bastam. Pelo contrário, a ‘síndrome de Jonas’ tem confiança só na justiça pessoal, em suas obras”.

Jesus fala então de “geração má” e de “pagã, a rainha de Sabá, quase a nomeia juíza: se levantará contra os homens desta geração”. E isto, assinalou, “porque era uma mulher inquieta, uma mulher que buscava a sabedoria de Deus”.

“A ‘síndrome de Jonas’ leva-nos à hipocrisia, àquela autossuficiência, a ser cristãos limpos, perfeitos, ‘porque fazemos estas obras’: cumprimos os mandamentos, tudo’. É uma grande doença. É o sinal de Jonas, da misericórdia de Deus em Jesus Cristo, morto e ressuscitado por nós, por nossa salvação. Na primeira leitura há duas palavras que se conectam com isto. Paulo disse de si mesmo que é um apóstolo, não porque estudou, não: Apóstolo por chamado. E aos cristãos diz ‘Vocês são chamados por Jesus Cristo’. O sinal de Jonas nos apela: seguir o Senhor, pecadores, somos todos, com humildade, com docilidade. Há um chamado, também uma opção”.

“Aproveitemos esta liturgia de hoje – pediu o Papa – para nos perguntar e tomar uma decisão: o que eu prefiro seguir? A síndrome de Jonas ou o sinal de Jonas?”.

Que sentimentos esta notícia provocou em você?

O texto bíblico a seguir pode lhe iluminar.

Leia-o e deixe que ele ecoe em você.

A palavra de Javé foi dirigida a Jonas, filho de Amati, ordenando: "Levante-se e vá a Nínive, a grande cidade, e anuncie aí que a maldade dela chegou até mim". Jonas partiu, então, com intenção de escapar da presença de Javé, fugindo para Társis. Desceu até Jope e aí encontrou um navio de saída para Társis. Pagou a passagem e embarcou, a fim de ir com eles até Társis, para escapar assim da presença de Javé. (Jn 1, 1-3)

Com confiança faça uma oração com o que sentiu.

Se quiser, pode escrever sua prece e enviá-la, para que outros possam rezar junto pelo site.

Mande sua mensagem pelo formulário abaixo:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Os cristãos devem se libertar da ‘síndrome de Jonas’”, diz Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV