Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Outubro 2021

 

 

  • "Este é um sínodo de bispos, não um sínodo de leigos", disse o cardeal em EWTN
  • Müller afirma que a consulta do Sínodo "não é necessária". “É mais importante que (os fiéis leigos) leiam e ouçam a palavra de Deus, e não compilem algumas ideias”

 

A informação é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 23-10-2021.

 

“Há uma grande rede de televisão católica que continuamente fala mal do Papa. Eu posso merecer pessoalmente esses ataques e insultos, porque sou um pecador, mas a Igreja não merece isso (...) Esses ataques são obra do demônio ”. Durante seu vôo de volta da Eslováquia, o Papa Francisco lamentou a campanha de assédio promovida pela EWTN. Uma cadeia que, aliás, agora começa na Espanha com curiosas 'bênçãos' episcopais.

O Papa não está mal orientado. E é que, já há algum tempo, a outrora rede católica fundada pela Madre Angélica se tornou um dos bastiões do eixo 'anti-Francisco', não só nos Estados Unidos, mas também no mundo. Em seus estúdios tiveram espaço para criticar abertamente Francisco e suas reformas, o melhor da ultradireita eclesial e trumpista: Burke, Sarah, Steve Bannon, Viganò ... Na Espanha, com seus próprios programas, Munilla ou Santiago Martín.


Agora, cabe ao próprio Cardeal Gerhard Müller, outrora prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e, como tal, um dos personagens mais próximos do Papa Francisco, atacar o processo sinodal, considerado "o fim do jogo" da rede norte-americana.

Entrevistado por Raymond Arroyo em 'World Over', Müller afirma que a consulta do Sínodo “não é necessária”. “É mais importante que (os fiéis leigos) leiam e ouçam a palavra de Deus, e não compilem algumas ideias”.

 

“Clericalismo puro e simples”


"Este é um Sínodo de bispos, não um sínodo de leigos", enfatiza Müller, que recebeu críticas de comunicadores como Austen Ivereigh ("Et voilá. Clericalismo puro e simples") ou Christopher White do NCR, e membro da Comissão Antipederastia do Vaticano, Juan Carlos Cruz, que lamenta as "óbvias ideias radicais e anti-Francisco" da rede, enquanto mostra sua "vergonha" pelo fato de o Episcopado norte-americano não se manifestar em defesa de Francisco.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV