Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Espiritualidade » Comentário do Evangelho

FESTA DE CRISTO REI Evangelho de Lucas 23, 35-43

Rubens - Crucificação de Jesus
Atualmente está no Museu Real de
Belas Artes de Antuérpia, na Bélgica.
Fonte: http://goo.gl/gF1Ya5

O povo permanecia aí, olhando. Os chefes, porém, zombavam de Jesus, dizendo: «A outros ele salvou. Que salve a si mesmo, se é de fato o Messias de Deus, o Escolhido!»

Os soldados também caçoavam dele. Aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre, e diziam: «Se tu és o rei dos judeus, salva a ti mesmo!» Acima dele havia um letreiro: «Este é o Rei dos judeus».

Um dos criminosos crucificados o insultava, dizendo: «Não és tu o Messias? Salva a ti mesmo e a nós também!».  Mas o outro o repreendeu, dizendo: «Nem você teme a Deus, sofrendo a mesma condenação? Para nós é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal».  E acrescentou: «Jesus, lembra-te de mim, quando vieres em teu Reino».  Jesus respondeu: «Eu lhe garanto: hoje mesmo você estará comigo no Paraíso».

(Correspondente à Festa de Cristo Rei, ciclo C, do Ano Litúrgico).

 

Locutores: Andriolli de Brites da Costa, Caio CoelhoRicardo Machado, Luciano Gallas.

O reinado do crucificado

Na festa de Cristo Rei, somos convidados/as a dirigir nosso olhar a Jesus Crucificado, que leva como coroa os espinhos, como vestes, só ferimentos, sendo seu trono, a cruz.

E se alguém tem dúvidas de quem se trata, a cruz tem um letreiro que o proclama: "Este é o Rei dos judeus".

Olhando para ele, vêm à nossa memória as palavras do profeta: "Ele não tinha aparência nem beleza para atrair o nosso olhar, nem simpatia para que pudéssemos apreciá-lo" (Is 53, 2).

Mais ainda: "Eram nossas doenças que ele carregava, eram as nossas dores que ele levava em suas costas" (Is 53,4).

Jesus de Nazaré, o filho de Maria, levou até as últimas consequências sua fidelidade ao projeto do Reino, seu serviço aos pobres e marginalizados, sua luta contra tudo aquilo que oprimia religiosamente ou socialmente seu povo.

Seu estilo de vida incomodou demais os interesses dos poderosos, que se uniram para matá-lo. Tratando-o como o pior dos malfeitores, deram-lhe o castigo dos últimos: a cruz!

E é desde esse lugar, ou melhor, é nesse lugar que é proclamado REI!

O que significa isso?

O lugar onde a salvação acontece é uma cruz, o lugar das vítimas, dos injustiçados deste mundo. É dali que a salvação brota, floresce. O reinado de Jesus inaugura-se no serviço máximo e na solidariedade com os últimos e desprezíveis de nossa terra.

Isto nos leva a nos questionarmos seriamente. Qual é o lugar que ocupamos na sociedade de hoje, perto de quem nos colocamos, com quem e para quem trabalhamos?

Os mártires da UCA, cuja memória celebramos uns dias atrás, seguindo o exemplo de Jesus Cristo, optaram por viver num mundo de oprimidos; localizaram-se conscientemente no lugar da realidade histórica em que não há "possibilitação", mas opressão, isto é, no lugar das vítimas despojadas de toda figura humana, e foi aí que entregaram sua vida, que lhes foi violentamente arrebatada.

Fonte: http://goo.gl/Z5gkVT

Lucas disse que o "povo permanecia aí, olhando". Coloquemo-nos agora perto  dos crucificados, o rei dos judeus e os dois ladrões, para contemplá-los e escutar o que dizem.

As palavras dos ladrões dão voz a diferentes gritos da humanidade de todos os tempos. Por um lado, escutamos a voz irônica da incredulidade, da desesperança: "Não és tu o Messias? Salva a ti mesmo e a nós também!"

Por outro, a voz do pecador arrependido que clama por misericórdia: "Jesus, lembra-te de mim quando estiveres em teu Reino".

Esse grito do bom ladrão não só é uma prece como também a confissão de fé em Jesus como Rei e Salvador. Esta é a chave para participar do reinado de Jesus, confiar-se humildemente à sua Pessoa.

A resposta de Jesus: "Eu lhe garanto, hoje mesmo você estará comigo no Paraíso", confirma o que dizíamos anteriormente: o reinado de Jesus se inaugura na cruz, e o "hoje" abre tempo e espaço para a participação no reino de Deus.

Com qual dos dois ladrões nos identificamos? Qual é nosso grito a Jesus Crucificado?

Por meio deste diálogo entre Jesus e o bom ladrão, o evangelista quer salientar as características principais do reinado de Deus, que são a compaixão e a misericórdia.

Nosso Rei crucificado nos revela um Deus compassivo e misericordioso, que ouve o clamor de seus filhos/as a ponto de ele mesmo assumir em sua carne esse grito para assim abraçá-los/as em seu amor misericordioso: "Pai, perdoa-lhes. Eles não sabem o que estão fazendo!" (Lc 23, 34).

Esta festa de Cristo Rei nos convida a nos colocarmos "no lugar", junto com nossos/as irmãos/ãs mais necessitados/as, para ali, com eles/as, viver suas lutas e sofrimentos, deixando que a compaixão e a misericórdia iluminem  nossa inteligência, motivem nossas relações e conduzam nossos passos para que o "hoje" do reinado de Deus continue acontecendo.

Oração

Oração dos mártires da caminhada

Deus da Vida e do Amor, Trindade Santa:
Em irmandade com os mártires da caminhada
Da Nossa América,
Vos louvamos e agradecemos
Pela força que derramastes em nossos corações
Para derramar a vida e a morte
Pela Vida, no Amor.

Como Jesus, foram fiéis até o fim
E deram a prova maior.
Por Ele e com Ele,
Venceram o pecado, a escravidão e a morte
E vivem gloriosos, sendo páscoa na páscoa.

Derramai também em nós o vosso Espírito
De união, de fortaleza e de alegria,
Para que demos totalmente nossas vidas
Pela causa do vosso Reino.
Por esses muitos irmãos e irmãs,
Testemunhas pascais.

Por Maria, a mãe da testemunha Fiel.
E pelo mesmo Jesus Cristo, o Crucificado-Ressuscitado,
Primogênito vencedor da morte.

Amém, Axé, Awere, Aleluia!

Dom Pedro Casaldáliga

Referências

KONINGS, Johan. Espírito e mensagem da liturgia dominical. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindis, 1981.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Formidável, Vitor Codina. Como vc diz, a alegria de Jesus Cristo voltou entre nós. A Igreja vai ab..." Em resposta a: A Igreja do Papa Francisco. Um pequeno decálogo. Artigo de Victor Codina
"esmpre são bons os comentarios das leitura do domingo mas poderiam vir na 2ª ou terça feira para ..." Em resposta a: DOMINGO 24 DE AGOSTO Evangelho de Mateus 16, 13-20
"Marina traiu o Dom Moacir, vai trair o Brasil, e os partidos políticos para estar no topo. Teologia..." Em resposta a: Marina, na madrugada, se encontra com o mentor, D. Moacyr Grechi

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes