Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Espiritualidade » Comentário do Evangelho

DOMINGO 17 DE AGOSTO - ASSUNÇÃO DE MARIA Evangelho segundo São Lucas 1, 39-56

Fonte: http://www.jesusmafa.com/

Aqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, às pressas, a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se agitou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 
Com um grande grito exclamou: "Você é bendita entre as mulheres, e é bendito o fruto do seu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar? Logo que a sua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança saltou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque vai acontecer o que o Senhor lhe prometeu."
Então Maria disse:

"Minha alma proclama a grandeza do Senhor, meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, porque olhou para a humilhação de sua serva. Doravante todas as gerações me felicitarão, porque o Todo-Poderoso realizou grandes obras em meu favor: seu nome é santo, e sua misericórdia chega aos que o temem, de geração em geração. Ele realiza proezas com seu braço: dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens, e despede os ricos de mãos vazias. Socorre Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera aos nossos pais em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre". Maria ficou três meses com Isabel; e depois voltou para casa.

(Correspondente a Festa da Assunção de Maria, ciclo B do Ano Litúrgico)

Locução: Rejane Silva

O cântico de Maria ao Deus que liberta

O evangelho de Lucas nos apresenta Maria como exemplo de seguimento fiel a Jesus, como modelo de mulher forjada e transformada pela força da palavra de Deus.

Após a concepção pelo Espírito Santo, Maria, na sua atitude disponível a Deus e às necessidades do próximo, sobe a Ain Karim, na região montanhosa de Nazaré, para visitar e ajudar sua prima Isabel, mulher idosa que também concebera, mesmo sendo estéril (Lc 1,36).

Quando Maria saudou Isabel, João Batista, o filho dela e de Zacarias, "se agitou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo" (Lc 1,41) e reconheceu Maria como "bendita entre as mulheres", "bendito o fruto do seu ventre", e como" mãe" do seu Senhor (Lc 1,42-43).

Maria, cheia de alegria, pronuncia um cântico de ação de graças a Deus, chamado Magnificat, palavra latina que significa "engrandece".

Este hino segue o modelo do cântico de Ana, a mãe do profeta Samuel, depois do nascimento do seu filho por intervenção divina (1 Sam, 2,1-10).

Como meditação e expressão dos seus sentimentos e emoções, Maria exulta: "Minha alma proclama a grandeza do Senhor, meu espírito se alegra em Deus, meu salvador" (Lc 1,46-47). Maria se faz eco da vivência de Yahvé experimentada pelo povo de Israel ao longo da história: a certeza de fé em um Deus pessoal que ama, que salva e que liberta. Como disse Marcel Domergué: É um Deus que dá aos pobres tudo o que lhes falta.

 
 Crianças refugiadas sírias brincam no campo de Domiz, no Iraque.

Maria alegra-se, ao proclamar um Deus que chama, que se manifesta sem considerar os limites das pessoas, pois ela, mesmo pertencendo à linha real de Davi, foi criada numa família pobre e desposou um simples carpinteiro.

Maria é consciente da sua humildade e louva o Salvador, porque Ele "olhou para a humilhação de sua serva" (Lc 1,48), porque Ele "eleva os humildes" (Lc 1,52) e preenche o coração das pessoas, especialmente dos mais pequenos. Com sua graça e sua ternura, Ele oferece a sua libertação.

Para o Primeiro (Antigo) Testamento, o servidor não é um escravo nem alguém submetido à tirania de um outro. Moisés, protótipo do servo do Senhor, é escolhido para participar da missão libertadora de Deus.

Maria, serva do Senhor, participará da grande libertação de Deus em favor das pessoas, pelo papel que desempenhou na encarnação, na morte e na Ressurreição de Jesus.

Este cântico é considerado por alguns autores como um dos documentos mais revolucionários da história da humanidade.

Ao cantá-lo, Maria reconhece a ação de Deus como parte de um grande e longo processo de cortar as esperanças humanas orgulhosas e de exaltar os humildes.

Representando o povo, ela recebe Deus no seu ventre e canta com os oprimidos e os sofredores que aguardam a libertação: "Ele realiza proezas com seu braço: dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens, e despede os ricos de mãos vazias" (Lc 1,51-53).

Os primeiros capítulos do evangelho de Lucas nos preparam para acolher Jesus, o Salvador.

Assim como Maria, podemos nos perguntar: Reconhecemos nossa própria fragilidade e humilhação? Sentimos o peso do mal e do pecado presentes em nós e no mundo ou somos insensíveis às mortes que acontecem no Iraque ou às mortes das pessoas na África pelo ebola? Podemos ficar indiferentes porque são situações que estão longe de nós e continuamos a ficar preocupados/as somente com nossos pequenos problemas?

Sonhamos com um mundo novo e, com fé e esperança, clamamos por ele e nos comprometemos na sua construção?

Maria, com coração pobre e solidária com as dores e os anseios do povo, é sensível à ação do Espírito Santo. Ela nos convida a reconhecer as pegadas do Deus que liberta e entoar, com nossa própria voz, um hino de súplica confiada, de louvor e de agradecimento.

Oração

Reconhecendo a presença e ação de Deus em nossa vida, cantemos com Maria ao nosso Deus.

Minha alma proclama a grandeza do Senhor,
meu espírito se alegra em Deus, meu salvador,
porque olhou para a humilhação de sua serva.
Doravante todas as gerações me felicitarão,
porque o Todo-poderoso
realizou grandes obras em meu favor:
seu nome é santo,
e sua misericórdia chega aos que o temem,
de geração em geração.
Ele realiza proezas com seu braço:
dispersa os soberbos de coração,
derruba do trono
os poderosos e eleva os humildes;
aos famintos enche de bens,
e despede os ricos de mãos vazias.
Socorre Israel, seu servo,
lembrando-se de sua misericórdia,
- conforme prometera aos nossos pais -
em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre. (Lucas 1,46-55)

Ouvir Magnificat - Taizé: http://www.taize.fr/pt

Referências

CHASTAIN, James G. Comentário sobre el Evangelio de Lucas. Barcelona: CLIE, 1986.

KODELL, Jerome. El Evangelio de San Lucas: Comentario Bíblico de Collegeville (3 Nuevo Testamento). Minesotta: The Liturgical Press, 1995.

MESQUITA GALVÃO, Antônio. Magnificat: O Evangelho segundo Maria. Petrópolis: Vozes, 1987.

MOSCONI, Luis. Evangelho de Jesús Cristo segundo Lucas. São Paulo. Loyola, 1997.

RAMIS DARDER, Francesc. Lucas, evangelista de la ternura de Dios. Estrella: Verbo Divino, 1998.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes