O que as eleições de 2020 anunciam para 2022?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma heresia pós-moderna: o uso distorcido da religião para sustentar teorias da conspiração

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura”

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Novembro 2020

"É ainda cedo para prenunciar de forma peremptória o que essas eleições anunciam para a eleição presidencial de 2022, algumas coisas, porém, podem ser ditas", destaca Cesar Sanson, professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.

Eis o artigo.

O segundo turno frustrou a esquerda. As expectativas eram grandes com São Paulo, Porto Alegre e Recife. Em todas elas, derrotas. As mais sentidas foram Porto Alegre e Recife. Em São Paulo, havia certo frisson no ar, mas sabia-se que seria difícil; entretanto a diferença entre Covas e Boulos acabou sendo maior do que as expectativas. Para arrematar a frustração, a derrota em Vitória.

A imprensa esfrega as mãos e vaticina: os grandes derrotados são Bolsonaro e PT e repete o velho clichê, que os extremos foram rejeitados. Uma leitura simplista que não explica o estupendo desempenho de Boulos em São Paulo.

De qualquer forma não há como negar que após uma onda de entusiasmo quando dos resultados do primeiro turno e do que se anunciava no segundo; o sentimento é de frustração na esquerda.

É ainda cedo para prenunciar de forma peremptória o que essas eleições anunciam para a eleição presidencial de 2022, algumas coisas, porém, podem ser ditas:

1) Boulos terá que ser escutado na composição de possíveis alianças pela esquerda em 2022. Deixou de ser uma figura pública e política secundária. Com a estrondosa votação na capital paulista, torna-se um interlocutor importante;

2) Não apenas Boulos terá que ser escutado, o PSOL também, deixa de ser “nanico” com o desempenho em São Paulo e a vitória em Belém; acrescente a isso a enormidade de vereadores eleitos, muitos em capitais, com capilaridade na sociedade;

3) Essas eleições mostram também o quanto será difícil a formação de uma frente ampla da esquerda ainda no primeiro turno; apesar do exemplo de São Paulo, na qual as principais lideranças nacionais de esquerda saíram em apoio a Boulos, a briga fratricida em Recife trará consequências. Em Fortaleza, o PT apoiou de forma tímida e a contragosto o candidato do PDT;

4) O PT pela primeira vez, em três décadas, não leva nenhuma capital do país. É uma ducha de água fria; mas continua sendo o maior partido de esquerda e com a figura de Lula e os programas sociais de seu governo mantêm forte recall entre os mais pobres. Dificilmente abrirá mão de uma candidatura própria em 2022, o que dificultará sobremaneira uma frente de esquerda ainda no primeiro turno;

5) O DEM e o PSDB saem fortalecidos com as vitórias nas respectivas capitais do Rio de Janeiro e São Paulo e a essas associem-se outras capitais com vitórias das duas siglas ainda no primeiro turno. Há uma probabilidade grande de marcharem juntos nas eleições de 2022 e arrastarem outras siglas como o MDB. Será uma chapa forte porque terá o apoio do capital financeiro, industrial e do agronegócio;

6) Bolsonaro com os resultados das eleições municipais mostra-se cada vez mais isolado. Sem partido, será cada vez mais dependente do centrão – por muitos chamados de direitão – que ganhou musculatura nessas eleições e cobrará ainda mais caro qualquer sustentação ao bolsonarismo;

7) As chances de reeleição de Bolsonaro diminuem muito. Se nas eleições de dois anos atrás, muitos queriam se agarrar à Bolsonaro e surfar em sua popularidade; agora os candidatos fogem do presidente como o diabo foge da cruz;

8) Essas eleições revelaram outra coisa: as fake news vieram para ficar. Muitos comemoram que a intensidade das mentiras pelas redes sociais diminuíram em relação a dois anos atrás; porém, foram fartamente usadas, principalmente em Porto Alegre e Recife. Seguramente em 2022 voltará com intensidade e com nova roupagem. O instagram, nova coqueluche das redes, já entrou em cheio nas ondas fakes nessas eleições;

9) Uma “lição final” das eleições 2020: a política é dialética. Quem previa a pandemia da Covid-19 um ano atrás? E fatos externos a política institucional mudam os rumos e os humores da população.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que as eleições de 2020 anunciam para 2022? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV