Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Outubro 2019

Nada menos do que cinco novos santos foram proclamados nesse domingo pelo Papa Francisco na Praça de São Pedro. Mas foram sobre dois deles que se jogou uma dupla “partida” diplomática do Vaticano de considerável importância.

A nota é de Fabrizio D’Esposito, publicada em Il Fatto Quotidiano, 14-10-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A primeira diz respeito ao cardeal britânico John Henry Newman (1801-1890), que levou à Itália o príncipe Charles da Inglaterra, herdeiro de um trono que representa também a cúpula mais alta da Igreja Anglicana.

Teólogo e filósofo que explorou a relação entre fé e razão (e por isso muito amado por Bento XVI), além de ser considerado como um dos “Padres ausentes” do Concílio Vaticano II, Newman foi um anglicano que se converteu ao catolicismo.

E, no sábado, o L’Osservatore Romano, o jornal da Santa Sé, apresentou na primeira página uma longa intervenção do príncipe Charles, assinado como “Sua Alteza Real, o Príncipe de Gales”.

O Príncipe Charles, apertando a mão do Papa, agradece reiteradamente o "grande sucesso" na sua "batalha pelo clima"

Escreve o filho da rainha Elizabeth II: “Quando o Papa Francisco, neste domingo, canonizar o cardeal John Henry Newman, primeiro britânico há mais de 40 anos a ser proclamado santo, será motivo de festa não só no Reino Unido e não apenas para os católicos, mas também para todos aqueles que trazem no coração os valores que o inspiraram”.

E ainda: “Na imagem da harmonia divina, que Newman expressou de maneira tão eloquente, podemos ver que, no fundo, quando seguimos com sinceridade e coragem os diferentes caminhos pelos quais a consciência nos chama, todas as nossas divisões podem levar a uma maior compreensão, e todos os nossos caminhos podem encontrar uma casa comum”. Uma mensagem, sem dúvida, de grande unidade.

A segunda “partida”, decididamente menos positiva, foi consumada sobre a canonização da Ir. Dulce Lopes Pontes (1914-1992), conhecida em todo o Brasil como a “Mãe dos Pobres” e o “Anjo Bom da Bahia”. Ela também era chamada de “Irmã Dulce” e de “Madre Teresa brasileira”.

A proclamação da Ir. Dulce foi um evento em todo o Brasil, mas na Praça de São Pedro o presidente parafascista Jair Bolsonaro não apareceu, para evitar se encontrar com o Papa Bergoglio. Em seu lugar, o vice, um general, Hamilton Mourão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV