O “ódio consciente” ao Papa Francisco é o sinal mais evidente do “ódio inconsciente” que grande parte do clero tem pelo Evangelho. Artigo de José María Castillo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Junho 2019

“Por que o Papa Francisco é tão desaprovado e odiado por tantos ‘homens de Igreja’? A resposta é muito simples e é uma coisa evidente: o clero, que fez carreira na Igreja e com a Religião, não pode suportar um papa que tomou como eixo e centro, de sua vida e da vida da Igreja, justamente o Evangelho da paz, a bondade, os direitos dos pobres e o sofrimento dos fracos”, escreve José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado em seu blog Teología sin Censura, 13-06-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Quando todos os dias assistimos os telejornais, oferecidos por diferentes canais de TV, a impressão inevitável de muitos de nós, telespectadores, é que vivemos em um mundo descontrolado. Ou seja, o mundo saiu de nossas mãos e não podemos controlá-lo pela simples razão de que, todos os dias, dependemos mais e mais da tecnologia.

Mas, a tecnologia está controlada, dirigida e a serviço dos interesses do capital. Significa que estamos nas mãos do que convém a um número reduzido de magnatas, a quem importa muito pouco o imenso sofrimento de milhões de seres humanos. E, além disso, trata-se do pequeno grupo dos mais poderosos, que administram a economia, a política e o direito como lhes convêm e à custa de milhões de escravos, de submissos e de seres humanos abandonados a sua sorte, sem outras possibilidades e, é claro, sem futuro.

A Religião não nos retira deste imbróglio

Sendo assim as coisas, não cabe contar com uma solução que possa brotar do sistema descontrolado em que vivemos. Porque o sistema é o primeiro interessado a que isto não tenha outra solução. Todos os dias recebemos notícias de reuniões e encontros “do mais alto nível”. Para que servem tantos e tão importantes encontros dos nomes e cargos tão conhecidos e, sobretudo, dos nomes daqueles que mais mandam e cujos nomes menos são conhecidos? Servem unicamente para fortalecer a eles mesmos. E para enganar a nós, que não conseguimos saber mais a fundo do assunto.

Tudo isto tem alguma saída? Resta-nos alguma esperança? A Religião não nos retira deste imbróglio. Porque a Religião, seja a que for, faz parte do sistema e, por isso mesmo, compõe o sistema gerador de tantos e tantos atropelos e desgraças. Basta pensar que, com frequência, as religiões (e os homens da religião), ainda que falem de justiça, amor, comportamentos éticos irrepreensíveis e outras coisas do estilo, na realidade, vive do sistema e são custeadas pelo sistema.

Ao mesmo tempo, a Religião prega uma doutrina que ensina, entre outras coisas, que os crentes precisam ser “bons cidadãos”, um programa de vida que inclui, entre outras coisas, a importância e a necessidade de “respeitar o sistema”. Com isso, sem se dar conta do que fazem, os dirigentes da Religião se constituem um dos pilares mais sólidos da manutenção e a fortaleza do sistema.

Esta ideia não é de Marx e dos marxistas. Muito antes de nascer o marxismo, Nicolau Maquiavel, em seus “Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio” (I, 12), disse isto: “Os príncipes e os estados que querem se manter incorruptos devem, sobretudo, manter incorruptas as cerimônias de sua religião..., pois não há maior indício da ruína de uma província do que ver que nela se despreza o culto divino”.

Nas origens do cristianismo, São Paulo sentenciou com firmeza: “Submetam-se todos às autoridades constituídas, pois não há autoridade que não venha de Deus” (Rm 13, 1-2). E, na atualidade, o comportamento da Hierarquia Eclesiástica, com seu silêncio sobre todo este assunto, é um dos fatores mais determinantes da estabilidade e solidez do sistema canalha gerador de tantos sofrimentos e, sobretudo, do “mundo descontrolado” que está nos conduzindo para o desastre total.

Evangelho e Religião

Isto tem alguma solução? O que os poderes deste mundo oferecem de si não trará uma solução. Na tradição cristã, temos o Evangelho de Jesus, o Senhor. Pois bem, se há algo claro no Evangelho é que a solução ao problema do sofrimento, neste mundo, não está nos poderosos e nos ricos, mas, sim, nos fracos, pequenos, marginalizados e excluídos.

Ao dizer isto, insisto em que o Evangelho não é uma Religião a mais. Nunca nos esqueçamos que foi a Religião que perseguiu e matou Jesus. O Evangelho e a Religião são incompatíveis. E são justamente por causa do assunto que aqui estamos tratando. Precisamente, a condenação de Jesus à morte foi sentenciada pelo Sinédrio porque viu em Jesus um perigo mortal para o sistema religioso de Israel (Jo 11, 47-53).

Por que o Papa Francisco é tão desaprovado e odiado por tantos “homens de Igreja”? A resposta é muito simples e é uma coisa evidente: o clero, que fez carreira na Igreja e com a Religião, não pode suportar um papa que tomou como eixo e centro, de sua vida e da vida da Igreja, justamente o Evangelho da paz, a bondade, os direitos dos pobres e o sofrimento dos fracos. O “ódio consciente” ao Papa Francisco é o sinal mais evidente do “ódio inconsciente” que grande parte do clero tem pelo Evangelho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O “ódio consciente” ao Papa Francisco é o sinal mais evidente do “ódio inconsciente” que grande parte do clero tem pelo Evangelho. Artigo de José María Castillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV