A louca proposta do cardeal Gerhard Müller: só nos resta rezar

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • Teologia da libertação: a Igreja resiste a Francisco

    LER MAIS
  • Umberto Eco, como se nasce e como se morre de fascismo

    LER MAIS
  • ''Francisco purificou a cultura pastoral de acordo com o ensinamento de Jesus.'' Entrevista com Michael Zulehner

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Setembro 2017

Curioso, esse cardeal alemão Gerhard Müller... Enquanto era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, a exortação Amoris laetitia não era um sério motivo de preocupação doutrinária para ele, sentado na cadeira que, no jargão, é chamada de cadeira do “guardião da fé”. Na realidade, em várias ocasiões, embora com prudência desconfiada, o purpurado, no passado recente, defendeu o documento e até minimizou as “dubia” dos quatro cardeais críticos.

A nota é de Luis Badilla, publicada no sítio Il Sismografo, 27-09-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mas agora, depois que o Papa Francisco, usando seus poderes legítimos e canônicos como outros papas fizeram no passado, decidiu há algum tempo não renovar para um segundo quinquênio a liderança do cardeal Müller à frente do importante dicastério, o nosso cardeal se alistou nas fileiras franzinas dos opositores ao pontífice.

Na verdade, nestes dias, também se inventou uma acrobacia insensata, assim como de péssimo gosto (especialmente se lançada por um cardeal do papa): um debate público sobre as questões doutrinais controversas da Amoris laetitia entre os signatários das “dubia” (que fazem perguntas) junto com os signatários da “correctio filialis” (que imputam “heresias”).

Na disputatio, o Papa Francisco deveria nomear uma comissão de cardeais, seus advogados de defesa. Para o cardeal Müller seria uma maneira de evitar um cisma.

Tudo isso e mais foi dito pelo cardeal alemão ao jornalista Edward Pentin, do National Catholic Register.

Até hoje, nenhuma desmentida ou esclarecimento. Por enquanto, o cardeal Müller não disse em que o canal de TV deveria ser transmitido esse debate demencial (com transmissão mundial ou transmissão europeia?), em que faixa horária e em que língua, quem seriam os patrocinadores e, principalmente, quem seria o moderador.

Diante de coisas desse tipo, propostas por um cardeal até poucas semanas atrás colaborador de confiança do Papa Francisco, herdado do pontificado de Bento XVI, ficamos petrificados, bloqueados, horrorizados... pelo menos nós, pequenos católicos fora das ambições de poder.

Só nos resta rezar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A louca proposta do cardeal Gerhard Müller: só nos resta rezar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV