A Semana Santa ortodoxa inicia marcada pelo sequestro dos bispos sírios

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 02 Mai 2013

As comunidades cristãs presentes na Síria estão trabalhando em conjunto para lutar pela libertação dos bispos de Aleppo sequestrados (o metropolitano sírio-ortodoxo Mar Gregorios Yohanna Ibrahim e o greco-ortodoxo Boulos al Yazigi) através de vigílias de oração, celebrações litúrgicas e manifestações, enquanto no país desgarrado pela guerra civil, para as Igrejas Orientais começam os ritos da Semana Santa.

A reportagem está publicada no sítio Vatican Insider, 29-04-2013. A tradução é do Cepat.

A Igreja sírio-ortodoxa, por meio de uma mensagem emitida pelo Patriarcado com sede em Damasco, convocou todos os seus filhos para viver o tempo da Páscoa com um forte espírito de oração e penitência, sugerindo deixar de lado os aspectos festivos que tradicionalmente acompanham a liturgia do Domingo de Ramos, celebrada no dia 28 de abril. No comunicado, o Patriarcado sírio-ortodoxo também confirmou com pesar que, dado o momento de tristeza e temor compartilhado por todos, este ano serão menores ou inclusive canceladas as tradicionais recepções dos bispos e sacerdotes que acolhem as Visitas de Cortesia realizadas pelos representantes islâmicos, por ocasião das festas cristãs. Os chefes das Igrejas cristãs presentes em Damasco convocaram uma vigília de oração que se celebrou na tarde do domingo, 28 de maio na igreja greco-ortodoxa de Santa Cruz, no distrito de Kassa’a, para invocar a libertação dos eclesiásticos sequestrados.

Também em Aleppo, na tarde de sábado, 27 de abril, foi realizada uma vigília de oração na catedral greco-ortodoxa: “A igreja estava cheia. Foi uma oração simples e vivida com grande dignidade. Agora é o momento da espera”, declara à Fides o bispo Jean-Clément Jeanbart, arcebispo Metropolitano de Aleppo dos greco-melquitas e com 15 sacerdotes católicos. “Vive-se uma tristeza generalizada”, disse Mons. Audo. “Ninguém quer criar ambiente de celebração. Para todos os cristãos, o sequestro dos dois bispos e dos dois sacerdotes sequestrados em fevereiro representa um fato enorme relevância e que interroga a todos”.

O Patriarca greco-ortodoxo de Antioquia Yohanna X al Yazigi, irmão do bispo Boulos, de Damasco, em uma carta de sábado, 27 de abril, pediu que se substituam com outras orações os hinos litúrgicos que no Domingo de Ramos expressam júbilo pela entrada de Jesus em Jerusalém. O Patriarca greco-ortodoxo também reitera o apelo à comunidade internacional para que opere de modo a promover a libertação dos bispos sequestrados, insistindo em que a violência, “não diminuirá nossa determinação de defender os princípios da convivência, que fica arraigada em nossa terra, e trabalhar pelo respeito à lei e à justiça”. Os cristãos de Kamishly, na Mesopotâmia síria, na manhã do sábado, 27 de abril, depois da missa celebrada na igreja dos sírio-ortodoxos dedicada a Maria, também fizeram uma manifestação pública da qual participaram o clero e os fiéis de todas as Igrejas e das comunidades cristãs da cidade para exigir a libertação dos bispos sequestrados.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Semana Santa ortodoxa inicia marcada pelo sequestro dos bispos sírios - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV